Tóquio abre processo de escolha de novos esportes para programa olímpico de 2020

Os organizadores do Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020, abriram nesta segunda-feira o processo de escolha de esportes que vão ser incluídos no programa de competições do evento. O processo, aberto pelo Comitê Organizador da Olimpíada de Tóquio, tem duas fases e dá para a cidade-sede o direito de adicionar um ou mais esportes ao seu programa.

Estadão Conteúdo

11 de maio de 2015 | 11h33

O beisebol e o softbol, que estão fora do programa olímpico desde os Jogos de Pequim-2008, são considerados favoritos por causa da popularidade desses esportes no Japão. Outras possibilidades incluem squash, caratê, skate e surfe.

Ao todo, 33 federações esportivas internacionais foram convidadas a se increverem para o processo de escolha até o prazo de 8 de junho. Os pedidos serão examinados por uma comissão, com base numa lista de candidatos selecionados em 22 de junho.

Os finalistas farão uma apresentação em Tóquio, em agosto, e o comitê organizador realizará a sua recomendação para o Comitê Olímpico Internacional (COI) até 30 de setembro. O COI, então, vai tomar a decisão final, em agosto de 2016, em encontro no Rio, palco da próxima Olimpíada.

O comitê de Tóquio disse que a disputa pela por vagas no programa olímpico será "aberta e justa". Ele disse que o evento ou eventos adicionais devem ter foco na juventude, além de envolverem a população japonesa e a audiência mundial.

O novo procedimento do COI faz parte da "Agenda Olímpica 2020", pacote de reformas aprovado em dezembro. O presidente do COI, Thomas Bach, pretende dar mais flexibilidade ao programa olímpico, que atualmente possui 28 esportes e cerca de 300 eventos com distribuição de medalhas, envolvendo 10 mil atletas.

Tudo o que sabemos sobre:
Olimpíada de 2020novos esportes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.