Torben e Scheidt prontos para duelo

Torben Grael e Robert Scheidt estarão competindo um contra o outro pela primeira vez - e já será em um Mundial. Os dois, hoje os mais respeitados velejadores do Brasil em todo o mundo, estarão no Club Náutico de Olivos, Província de Buenos Aires, na Argentina, para o Mundial da Classe Star no Rio da Prata. A semana do Carnaval está sendo bem aproveitada para treinos por Torben e seu proeiro Marcelo Ferreira, assim como Robert em dupla com Bruno Prada. Na sexta-feira, haverá a regata de apresentação. As disputas começam no sábado, com previsão para irem até a outra sexta-feira, dia 18.Nesta quarta-feira, os barcos passaram pela medição. Há representantes de mais de 20 países. Torben chega como bicampeão olímpico da classe - assim como seu proeiro Marcelo (em Atlanta/96 e Atenas/2004). Além disso, credenciado como único velejador da história a somar cinco medalhas olímpicas (além dos dois ouros na Star, tem a prata da Soling de Los Angeles/84, o bronze já da Star de Seul/88 e o bronze da Star de Sydney/2000).Se o barco da classe Star é considerado "o violino dos mares", pela delicadeza de sua "afinação", Torben já foi chamado de "Paganini" - justamente o gênio do violino -, por seus próprios companheiros velejadores.Seu irmão, Lars Grael, dois bronzes olímpicos da classe Tornado (em Seul/88, com Clínio de Freitas, e em Atlanta/96, com Kiko Pellicano), estará pela primeira vez em um Mundial de Star, com o proeiro Marco Lagoa. Em janeiro, Lars já foi campeão sul-americano de Star.Duplas - Do Brasil, haverá ainda outras seis duplas competindo: Gastão Brun e Ubiratan Oliveira; John King e Daniel Santiago; André Mirsky e Marco Aurélio Sá Ribeiro; Marcelo Fuchs e Fábio Kraiczyk; Peter Ficker e Marcelo Jordão; Alessandro Pascolato e Ronald Seifert.Para Robert Scheidt, este Mundial deverá ser chave na decisão quanto à classe pela qual tentará vaga pelo Brasil na Olimpíada de Pequim/2008. O iatista, que tem dois ouros olímpicos de Laser (em Atlanta/96 e Atenas/2004), além da prata em Sydney/2000, vem de um ano assombroso na Laser, invicto em competições, o que lhe assegurou pela segunda vez o título de melhor velejador do mundo no ano, por escolha da Federação Internacional de Vela, a Isaf.Em Buenos Aires, ainda serão destaque os franceses Xavier Rohart e Pascal Rambeau, bronze olímpico em Atenas/2004, e os suecos Fredrik Loof e Anders Ekstrom campeões do Mundial de 2004.

Agencia Estado,

10 de fevereiro de 2005 | 11h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.