Torcedor ignora preço alto e esgota ingressos para a final

Princípio de confusão entre santistas e corintianos nas bilheterias leva PM a reforçar segurança

Sanches Filho, O Estadao de S.Paulo

24 de abril de 2009 | 00h00

O ingresso mais barato para o primeiro jogo da final do Campeonato Paulista custava R$ 80 - havia entrada de até R$ 200. Mas o torcedor santista ignorou os altos preços (e a surpreendente derrota de anteontem para o CSA) e esgotou as entradas para o confronto de domingo, contra o Corinthians, em poucas horas. Dos 18 mil postos à venda, 1.259 ficaram com os corintianos, que também compraram sua parte.A rivalidade e a importância do clássico trazem preocupação especial à Polícia Militar - principalmente depois de alguns incidentes ocorridos ontem. O temor do comando do 6º Batalhão da Polícia Militar aumentou com um princípio de tumulto entre corintianos e santistas momentos antes da abertura das bilheterias da Vila Belmiro, às 9 horas. Como a fila dos santistas para a compra de meia-entrada, na Rua Princesa Isabel, contornou o estádio, atingindo a Rua José de Alencar, ocorreu encontro com a torcida rival. Houve provocações, e os corintianos, com porretes semelhantes a tacos de beisebol, só não partiram para o confronto porque foram contidos pelo policiamento. As entradas destinadas aos torcedores do Corinthians acabaram menos de uma hora após o início da venda, no guichê 21. Por volta do meio-dia, terminaram os ingressos para todos os setores reservados aos santistas.De acordo com o tenente Lima, que vai comandar o trabalho policial no domingo, haverá mais de 300 integrantes da corporação, mais o apoio da Força Tática, Grupamento Aéreo, canil e cavalaria. "Vamos intensificar o policiamento, temos experiência nesse tipo de acontecimento e tumulto", comentou. "Trabalhamos com todas as hipóteses para o jogo de domingo. Nosso batalhão está preparado para agir de forma eficiente." A PM pede que as caravanas da torcida do Corinthians cheguem à Vila Belmiro com bastante antecedência, no máximo até o meio-dia, para que todos os integrantes possam ser revistados de forma rigorosa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.