Photo by various sources / AFP
Photo by various sources / AFP

Torcedora percebe pinta cancerosa em jogo e escreve uma mensagem que salvou uma vida

Nadia Popovici avisou Brian Hamilton, do Vancouver Canucks, que ele tinha uma pinta na nuca possivelmente cancerosa. Posteriormente, Hamilton buscou médicos e descobriu precocemente um melanoma maligno tipo 2

Eduardo Medina, The New York Times, O Estado de S.Paulo

04 de janeiro de 2022 | 15h00

Nadia Popovici não parava de desviar seus olhos do jogo de hóquei para a nuca de Brian Hamilton. Hamilton, gerente assistente de equipamento do Vancouver Canucks, tinha uma pequena pinta lá. Ela media cerca de dois centímetros, tinha formato irregular e cor marrom-avermelhada - possíveis características de câncer, sinais que Popovici aprendera a detectar enquanto trabalhava como voluntária em hospitais como auxiliar de enfermagem.

Talvez ele já soubesse? Mas se sim, por que a pinta ainda estava lá? Ela concluiu que Hamilton não sabia. “Eu preciso dizer a ele”, Popovici, de 22 anos, disse a seus pais no jogo da NHL de 23 de outubro entre os Canucks e o Seattle Kraken na Climate Pledge Arena em Seattle.

Popovici escreveu uma mensagem em seu telefone e esperou o jogo terminar. Depois de acenar várias vezes, ela finalmente chamou a atenção de Hamilton e colocou seu telefone contra a tela de acrílico. “A pinta em sua nuca é possivelmente cancerosa. Por favor, consulte um médico!”, ela escreveu a mensagem com as palavras “pinta”, “câncer” e “médico” em vermelho vivo.

Hamilton disse que olhou para a mensagem, esfregou a nuca e continuou andando, pensando: "Bem, isso é estranho". Popovici disse que se arrependeu da mensagem e pensou na época: “Talvez seja inapropriado da minha parte mencionar isso”.

Após o jogo, Hamilton foi para casa e perguntou a sua companheira se ela poderia localizar a pinta. Ela pode. Ele perguntou ao médico da equipe se era preocupante. Era. Então, depois de retirá-la, ele esperou pelos resultados da biópsia para ver se a torcedora sentada atrás do banco da equipe estava certa.

Na verdade, Popovici estava certa e ela acabara de salvar a vida dele. “Ela me tirou de um fogo lento”, disse Hamilton em uma entrevista coletiva no sábado, com a voz trêmula às vezes. "E as palavras que saíram da boca do médico foram que se eu ignorasse isso por quatro a cinco anos, não estaria aqui."

Especificamente, os médicos disseram a ele mais tarde que era o melanoma maligno tipo 2, um câncer de pele que, por ser detectado precocemente, poderia ser facilmente removido e tratado. “Com o melanoma, assim como com muitos outros cânceres, o sucesso do tratamento ou da cura geralmente depende do estágio da doença - e quanto mais cedo você encontrar algo, melhor será”, disse Ashwani Rajput, diretor do Johns Hopkins Kimmel Cancer Center.

Hamilton se lembrou do médico dizendo: "Vou diagnosticá-lo com câncer e vou curá-lo do câncer no mesmo telefonema." Assim que soube que estava bem, Hamilton pediu à franquia Canucks que o ajudasse a encontrar a mulher que ele descreveu como "uma heroína".

Hamilton escreveu uma carta que foi postada no Twitter da equipe no sábado que dizia: “Para esta mulher que estou tentando encontrar, você mudou minha vida, e agora quero encontrar você para dizer MUITO OBRIGADO! O problema é que não sei quem você é ou de onde você é.”

Demorou menos de três horas para encontrar Popovici, que estava dormindo em sua casa em Tacoma, Washington, naquela tarde, depois de trabalhar durante a noite como especialista em intervenção de crise em uma linha direta de prevenção ao suicídio. Ela acordou com mensagens de texto e chamadas perdidas de sua mãe, Yukyung Nelson. “Acho que ela ficou chocada”, disse Nelson.

Popovici, que já havia planejado assistir ao jogo no sábado entre o Canucks e o Kraken em Seattle, foi convidada pelas duas equipes para encontrar Hamilton. Ele tinha acabado de terminar uma entrevista coletiva sobre o que havia acontecido. Referindo-se a Popovici, ele disse aos repórteres: “Minha mãe quer que ela saiba que a ama”.

No final daquela tarde, ele repetiu a mensagem para Popovici pessoalmente. No jogo, as duas equipes ofereceram a Popovici uma bolsa de estudos combinada de US $10 mil para que ela usasse nas despesas da faculdade de medicina. “Algumas pessoas estão dizendo que isso não vai ser nem uma gota no oceano, mas acredite em mim, é como se fosse tudo”, ela disse. “Estou realmente muito grata.”

Ela assistiu ao jogo do mesmo assento onde avistou a pinta. Tudo, ela pensou, tinha dado certo naquele dia: uma futura estudante de medicina estava sentada perto o suficiente de um banco da equipe onde um gerente assistente de equipamento estava, felizmente, sem uma jaqueta grande o suficiente para cobrir a pinta cancerosa em seu pescoço. “Toda essa experiência foi tão rara”, disse Popovici. "E eu quero apenas valorizá-la." / TRADUÇÃO LÍVIA BUELONI GONÇALVES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.