Torcida apoia o time e pega no pé de Ricardo Gomes

Técnico é chamado de 'burro' e contestado nas substituições que fez. Washington, porém, foi bastante aplaudido

Giuliander Carpes, O Estado de S.Paulo

22 de abril de 2010 | 00h00

A torcida são-paulina foi em muito bom número ao Morumbi e apoiou o time na vitória contra o Once Caldas, da Colômbia. Mas também compareceu ao estádio para manifestar sua inconformidade com a maneira como a equipe foi eliminada pelo Santos no Campeonato Paulista (derrotas por 3 a 2 e 3 a 0).

Os torcedor elegeu seu culpado pelos reveses no Estadual: Ricardo Gomes. Pela primeira vez desde que o treinador assumiu, em junho do ano passado, foi chamado de "burro" pela maioria dos são-paulinos. O coro começou quando resolveu substituir Fernandinho, autor do gol e xodó da torcida, por Jean - pretendeu passar Cicinho para o meio-campo e reforçar a marcação na defesa, com o volante improvisado na lateral-direita.

Como reclamou de Ricardo Gomes, os são-paulinos mostraram coerência com Washington, que havia criticado as escolhas do técnico no domingo e esbravejado contra sua retirada do time titular. Entoou o nome do centroavante enquanto o jogo estava empatado, no primeiro tempo, e até mesmo depois de Fernandinho colocar o São Paulo na frente. "Ninguém gosta de sair do time, mas foi uma opção tática do treinador. O Ricardo Gomes é muito inteligente e sabe o que faz", disse o comportado atacante após ser substituído..

Os são-paulinos só não queriam que Jorge Wagner saísse do time para a entrada do camisa 9, mais uma escolha contestada de Ricardo Gomes - Cicinho e Dagoberto, ambos com atuação apagada, apareciam como candidatos mais fortes a ir para o chuveiro mais cedo. O coro "burro, burro!" passou a ser ouvido então com mais força no Morumbi.

"Posições diferentes acontecem e nós temos que respeitar", minimizou o capitão Rogério Ceni. "O Washington é muito importante para a gente, é o único jogador de área que temos inscrito na Libertadores. Mas o grupo é mais importante."

Agora o São Paulo terá uma semana para acertar o time e, principalmente, pacificar o ambiente nos vestiários do Morumbi. Ricardo Gomes já começou a ser pressionado. "Ao contrário do que muita gente pensa, o Ricardo tem o grupo do São Paulo na mão", garantiu Rogério. "A tendência é que a equipe venha a se encaixar novamente."

Valeu pela vaga. Os jogadores são-paulinos foram unânimes: a equipe ainda não mostrou o bom futebol de antes das semifinais do Campeonato Paulista. Mas dadas as circunstâncias difíceis da semana, a vitória sobre o Once Caldas foi bastante comemorada. Uma derrota até não tiraria uma vaga do time nas oitavas de final, mas não afastaria a crise que ronda o Morumbi.

"A gente entrou disposto a marcar o time do Once Caldas sob pressão, em cima. Erramos bastante, é verdade, mas fizemos o gol e isso é o mais importante", explicou o volante Hernanes, que também foi substituído na partida - por Cléber Santana. "Foi um sofrimento, principalmente por causa da derrota para o Santos domingo. Ficamos abalados. Quando a gente perde daquela forma parece que fica até mais cansado."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.