Torcida cantava vitória antes do jogo

Histórico de sucesso ante o Chile dava à maioria dos brasileiros uma confiança que, em campo, seria chamada de salto alto

Marcela Spinosa / SÃO PAULO e Bruno Boghossian / RIO, O Estado de S.Paulo

29 de junho de 2010 | 00h00

Foi por causa da união de três amigos que 60 moradores do Jardim Guarani, na zona norte, assistiram ontem ao jogo entre Brasil e Chile em um telão montado na esquina da ruas Antônio de Almeida Viana e Manoel Nascimento Pinto. Cleiton Solto, de 29 anos, cedeu o telão e o projetor. Edson Ramos Tavares, de 43, cedeu a área ao lado de seu trailer onde vende lanches e as cadeiras. Eduardo de Oliveira, de 40, convocou os torcedores.

"A área é carente de lazer e é muito melhor assistir aos jogos com os amigos do que em casa", disse Oliveira. Munida de vuvuzelas, perucas coloridas e cerveja, a turma vibrou a cada lance dos atletas brasileiros.

"A imagem está um pouco clara, mas dá para assistir legal", disse Cristiane Alfredo Gonçalves, de 32 anos, que via a partida com a sobrinha Isadora, de 3 anos, a irmã e mais quatro amigas.

Esta é a primeira Copa que os moradores colocam o telão na rua. A ideia surgiu há três anos, quando os três amigos queriam assistir juntos a um jogo do Corinthians. "Desde então, montamos o telão", contou Ramos. Para ele, montar a estrutura no local, além de cômodo, é rentável.

Enquanto em dias de jogos da seleção ele vende 48 caixas de cerveja, em um fim de semana comum a quantidade cai para 18. "Agora é torcer para o Brasil chegar à final e, se Deus quiser, bater a Argentina", palpitou.

Superstição. O excelente retrospecto da seleção brasileira contra o Chile se traduziu em puro otimismo dos torcedores que assistiam à partida de ontem na Praia de Copacabana, zona sul do Rio. Certos da vitória, quase 80 mil pessoas acompanharam o jogo pelos dois telões instalados na areia. Mais de 18 mil estavam dentro da arena montada pela Fifa ? recorde de público no local desde o início da Copa. Nenhuma ocorrência grave foi registrada pelos organizadores.

Como em um estádio de futebol, os torcedores aplaudiram os jogadores para incentivá-los, se esticaram quando Juan cabeceou para abrir o placar e comemoraram depois que Luís Fabiano driblou o goleiro chileno, antes mesmo de o atacante completar para a rede. Quando Robinho marcou o terceiro gol, a festa foi mais comedida, como se tudo estivesse planejado.

"Já sabia que seria fácil, mas hoje foi a melhor partida da seleção. Eles realmente convenceram e, jogando assim, vamos ganhar da Holanda", disse o contador Nivaldo de Andrade.

O morador de Copacabana assistiu a todos os jogos do Brasil nesta Copa no mesmo ponto da areia, com os mesmos parentes e amigos ? um grupo de 20 supersticiosos que faz questão de se reunir para as partidas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.