Torcida promete paz a Leão

Uniformizada diz que dará trégua ao técnico, após pedido de Teixeira

Sanches Filho, SANTOS, O Estadao de S.Paulo

27 de fevereiro de 2008 | 00h00

Terminou a crise entre Emerson Leão e a "turma do carnaval". Depois de decidir em reunião que iriam continuar fazendo campanha contra o técnico, mesmo nas vitórias, os dirigentes da Torcida Jovem foram "convencidos?? pelo presidente do clube, Marcelo Teixeira, a mudar a postura. Antes de tomar conhecimento da trégua da facção, Leão também já considerava o episódio encerrado."Depois do que aconteceu no jogo contra o Ituano (torcedor vaiando torcedor), da minha parte esse é um assunto encerrado. Não tenho mais nada a falar. Está encerrado o ciclo de troca de ofensas", disse o treinador.Empolgado com a resposta que o time deu nos dois últimos jogos, Leão agora aposta numa seqüência de oito resultados positivos e na classificação para as semifinais do Campeonato Paulista. "Estamos começando a semana bem porque terminamos a passada maravilhosamente??, disse. " O time está armado taticamente para que haja menos erros. A orientação é fazer o mais simples." Ele considerou os jogos contra Guarani (3 a 1) e Ituano (4 a 1) divisores de água para o Santos. "Pelo o que fizemos nas duas últimas partidas, ficou provado que é possível, que podemos seguir ganhando." Hoje, o técnico vai dar um coletivo mais longo para avaliar as condições de Fabão, contratado para fechar a defesa."Ele vem tendo uma evolução acentuada." Leão pretende escalar o zagueiro no jogo de sábado, contra o Sertãozinho, para dar ritmo para a partida de terça-feira, contra o Chivas, na Vila Belmiro, pela Libertadores.Leão não quer, por enquanto, dar maior importância ao torneio continental. "A nossa responsabilidade é o Paulista e a Libertadores, o desejo. Se conseguirmos a vaga para a próxima fase, aí poderemos pensar."O técnico analisou situações distintas vividas por dois zagueiros contratados com seu aval: Evaldo, que saiu de campo sob vaia no domingo, após ter falhado no gol do Ituano e ter sido expulso; e Betão, que, apesar da perseguição que vem sofrendo de parte da torcida, voltou a jogar bem e fez o seu primeiro gol pelo Santos."Gosto de beque simples. Quando o zagueiro quer sair da defesa driblando e dá azar, fica evidenciado que não simplificou. E Evaldo pagou caro por isso", disse Leão, que analisou a atuação de Betão no último jogo como perfeita. "Além do gol, disputou uma excelente partida, pela firmeza e simplicidade."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.