Alex Silva/AE
Alex Silva/AE

Trabalho e paz, as armas do Palmeiras

Jogadores destacam o bom ambiente e até a saída do atacante Kleber é lembrada por Felipão

DANIEL BATISTA, O Estado de S.Paulo

19 de fevereiro de 2012 | 03h03

SÃO PAULO - Líder do Paulista, o elenco do Palmeiras sabe na ponta da língua o motivo de viver uma fase tão boa. O volante e capitão Marcos Assunção destacou que o ambiente é o que faz toda a diferença. Graças ao clima tranquilo, dá para trabalhar ainda mais.

"O nosso segredo é trabalho. Qualquer time precisa disso para se dar bem e não somos diferentes. Um elenco que tem tranquilidade faz com que o clima seja outro e com isso conseguimos trabalhar ao longo da semana e desempenhar bem o nosso papel", disse o jogador.

A fase do Palmeiras é excelente. A equipe não perde há 13 jogos e vem de cinco vitórias consecutivas. Tudo está dando certo para a equipe. Até mesmo a chegada de novos jogadores deu certo. "Quem está chegando está se encaixando muito bem e rápido no time. Isso ajuda a ter essa calma", destacou Assunção.

E a boa fase faz com que um jogador volte a ser lembrado no Palmeiras: Kleber. Sem citar seu nome, Luiz Felipe Scolari lembra que tudo estava bem em 2011 também, até a confusão com o atacante, que tentou ser negociado com o Flamengo.

"Ano passado tínhamos uma equipe organizada também nessa fase do campeonato e em boa parte do Brasileiro. Mas tivemos um problema que atrapalhou tudo e todo mundo sabe o que aconteceu", disse o treinador.

Até mesmo as constantes brigas entre o vice-presidente de futebol, Roberto Frizzo, e Felipão diminuíram. Os dois continuam a se evitar e usam o gerente de futebol, César Sampaio, como ponte, quando precisam trocar informações. Mas o fato importante é que ambos deixaram de trocar farpas via imprensa.

SUSTO

O lateral-direito Arthur saiu machucado, ainda no primeiro tempo contra o Guaratinguetá, na sexta-feira, mas não preocupa para o jogo de quinta-feira, contra o Oeste. O próprio jogador já se "escala". "Levei uma pancada e bati o joelho, mas está tudo bem", garantiu.

Cicinho está de volta, após cumprir suspensão pelo terceiro cartão amarelo. O desfalque é o zagueiro Henrique, que recebeu o terceiro amarelo na última rodada. Maurício Ramos é o favorito para substituí-lo. Román, que ainda não estreou, também pode jogar, mas vai ter que convencer Felipão de que está em boas condições físicas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.