Tradição dos Hearns entra no ringue

Repetir o sucesso do pai famoso é um dos maiores desafios de qualquer atleta no esporte. Ronald Hearns sabe que não vai conseguir esse feito, mas disputa hoje, em Stuttgart, na Alemanha, o título dos médios (até 72,575 quilos) da Associação Mundial de Boxe, diante do alemão Felix Sturm. The Chosen One (A Única Escolha), de 32 anos, começou no boxe apenas em 2004. Antes, por imposição do pai, foi estudar Direito Criminal na Universidade de Washington, onde atuou como armador no time de basquete. "Sempre exigi que ele tivesse uma profissão para seguir depois do esporte", afirmou a lenda Thomas Hearns, atualmente com 52 anos. Ele marcou época na década de 80, ao travar duelos épicos com Sugar Ray Leonard, Roberto Durán e Marvin Hagler. Foi campeão mundial dos meio-médios, médios-ligeiros, médios, supermédios e meio-pesados.

, O Estado de S.Paulo

19 de fevereiro de 2011 | 00h00

Hoje, estará na primeira fileira na Porsche Arena para incentivar o filho durante o combate mais importante de sua carreira. "Ele vai enfrentar um adversário duríssimo, mas confio em sua força de vontade", afirmou o pai coruja.

Além da pressão pela sombra do pai, Ronald também sofre com a descrença dos críticos. Para muitos especialistas, ele falhou em seu duelo mais importante. Foi em março de 2009, quando acabou derrotado por nocaute técnico no 9.º round para Harry Joe Yorgey. De lá para cá seus rivais foram de segunda linha e, mesmo assim, suas atuações não empolgaram.

"Sei que não tenho o mesmo talento de meu pai. Só quero ganhar o cinturão. Toda a minha preparação para ser lutador de boxe será colocada dentro do ringue nessa noite", afirmou Hearns, que tem como destaque a coragem para trocar golpes. Ao mesmo tempo, sua defesa é bastante vulnerável, assemelhando-se ao pai. Com uma diferença: o pai tinha forte pegada com ambos os punhos e uma variedade e velocidade de golpes impressionante. "Vou vencer", garantiu Ronaldo Hearns, que vai usar o calção amarelo semelhante ao que o pai utilizou durante a carreira de 29 anos (entre 1977 e 2006).

Felix Sturm, também de 32 anos, não é um pegador, mas possui grande variedade de golpes. Soma 34 vitórias, apenas 14 nocautes e duas derrotas. Uma delas em decisão por pontos muito contestada para o norte-americano Oscar De La Hoya em 2004.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.