André Lessa/AE
André Lessa/AE

Treinador de Yelena Isinbayeva fecha treinos para Fabiana Murer

Depois da vitória brasileira no Mundial Indoor, Vitaly Petrov limita contato da russa com 'nova rival'

Valéria Zukeran, O Estado de S.Paulo

21 de janeiro de 2011 | 00h00

O ano de 2011 promete ser de mudanças para a atleta Fabiana Murer. Para começar, a era do coleguismo entre a brasileira e a russa Yelena Ysinbayeva definitivamente acabou. A conquista do ouro pela brasileira na prova de salto com vara no Mundial Indoor, no ano passado, mostrou-se um divisor de águas no relacionamento entre as duas atletas.

Até o ano passado, as duas costumavam passar alguns períodos do ano treinando juntas. "Este ano o Vitaly [Petrov, técnico de Ysinbayeva] disse que o intercâmbio não vai ser possível porque aumentou a competitividade. Ele veio ao Brasil em outubro para uma clínica e voltará em março, mas as duas não treinarão mais juntas", disse o técnico de Fabiana, Elson Miranda, durante a apresentação da equipe BM&F de atletismo para a temporada.

A brasileira vai apresentar novidades em sua primeira competição do ano, dia 28, em Nova York. Fabiana aperfeiçoou seus treinamentos e espera poder bater seu recorde sul-americano indoor (4,82 metros) no encontro que terá com a vice-campeã olímpica do salto com vara, a americana Jennifer Suhr, no Millrose Games, no Madison Square Garden. A saltadora usará uma vara mais longa para competir. Até o ano passado, a maior de seu kit (um atleta usa várias varas durante uma competição) tinha 4,55 metros. Este ano a maior terá 4,65 metros e será usada tanto nas provas indoor quanto ao ar livre.

Em termos práticos, isso significa que, se em 2010 a distância entre a extremidade da vara e o ponto no qual Fabiana a empunhava era de 4,52 metros, em 2011 ela passará a 4,60 metros, oito centímetros a mais. Isso exigiu esforço extra da atleta para se adaptar às novas condições, pois o aumento da vara resulta em mudanças na corrida, no momento da fixação do objeto no chão e na técnica do salto em si.

O objetivo das alterações é melhorar o desempenho e se aproximar dos atuais recordes mundiais de Ysinbayeva - 5 metros em provas indoor e 5,06 m ao ar livre, ambos estabelecidos em 2009 - e conquistar uma medalha no Mundial de Daegu, Coreia do Sul, em agosto. A competição será o principal evento de Fabiana na temporada.

Ansiedade. A brasileira está ansiosa para se apresentar e pôr à prova todo o trabalho. "Não aguento mais treinar. Quero competir logo", desabafou a brasileira. A saltadora estabeleceu suas cinco provas indoor do ano e inclusive o reencontro com Ysinbayeva - que depois do Mundial se afastou das competições - no evento organizado por Sergey Bubka em Donetsk, Ucrânia, dia 12 de fevereiro.

"Donetsk é um evento de que a Yelena gosta muito, porque é praticamente na casa dela (Ysinbayeva é russa, mas treina na Itália). Eu também gosto, porque bati um recorde sul-americano lá", lembrou a brasileira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.