Triatletas do País lutam por Atenas

O Mundial da Nova Zelândia é a última chance de os triatletas brasileiros conseguirem lugar entre os cem primeiros no ranking da União Internacional de Triatlo (UTI), condição da Confederação Brasileira da modalidade para a classificação olímpica. Os mais bem colocados, um homem e uma mulher, até 8 de maio, garantem a vaga. O feminino, com Carla Moreno e Mariana Ohata, larga às 22 horas (de Brasília).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.