Triatlo: Brasil tem desafio em Santos

Quebrar a hegemonia dos estrangeiros é o desafio dos brasileiros no 11.º Triathlon Internacional de Santos, neste domingo, com largada na Praia do Boqueirão, às 8h30. A prova, uma das mais importantes do calendário nacional, vai reunir os principais atletas brasileiros e destaques internacionais do circuito mundial - 800 competidores, de sete países para 1,5 km de natação, 40 km de ciclismo e 10 km de corrida. No feminino, Carla Moreno e Sandra Soldan, que disputaram a Olimpíada de Sydney, em 2000, e, na semana passada, ajudaram o Brasil a ganhar um torneio de Fast Triathlon, terão na australiana Michellie Jones e na canadense Carol Montgomery adversárias diretas pelo título. Carla foi prata no Pan-Americano de Winnipeg, em 1999, e é tricampeã do Troféu Brasil. Sandra foi vice-campeã do Triathlon Internacional de Santos em 2001, superada pela pentacampeã Michellie. Entre os homens, Alexandre Manzan foi o brasileiro mais bem colocado na prova de 2001, com o quinto lugar. Vice-campeão do Troféu Brasil no ano passado, está em boa forma para tentar um lugar no pódio, assim como Santiago Ascenço e Virgílio de Castilho, terceiro e quarto colocados no Troféu Brasil de 2001. A única vitória brasileira na prova foi obtida por Leandro Macedo, em 96. Os estrangeiros estão confiantes. A canadense Carol Montgomery, bicampeã da prova, os norte-americanos Ken Glah, vencedor em 95, e Matthew Reed, campeão do Fast Triathlon deste ano, e o russo Alec Rukosuev foram unânimes em afirmar que estão prontos para uma boa disputa. Vencedora em 94 e 95 e vice-campeã mundial em 2000, Carol acha que chegou a hora de voltar ao topo do pódio. "Quero vencer mais uma vez. É uma prova difícil e minhas principais adversárias devem ser Sandra Soldan e Carla Moreno." Carol considera as brasileiras muito fortes. "Em 2001, fiquei em terceiro, atrás da Sandra. Tenho competido com as brasileiras no circuito e sei que são ótimas." Entre os homens, o experiente Ken Glah, primeiro colocado em 95 e um dos principais atletas do circuito mundial, diz estar muito bem e pronto para vencer. "Mas o Triathlon de Santos atrai grandes competidores e fica difícil prever alguma coisa." Matthew Reed, dos EUA, ressalta que voltou ao Brasil para vencer. "Vou fazer de tudo para ter sucesso", disse Matthew, que aposta na vitória de um estrangeiro. Para ele, os brasileiros sofrem com a pressão de ter de vencer. O russo Alec Rukosuev diz que tudo é questão de cultura. "Os brasileiros gostam de futebol e fica difícil revelar valores e estar entre os melhores. Mesmo assim, há bons triatletas o Brasil, como Alexandre Manzan e Leandro Macedo, verdadeiros heróis."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.