Tribunal pode tirar volante Cristian da final

Corintiano, fã de Vágner Mancini, será julgado por gesto obsceno ao festejar gol contra São Paulo

Fábio Hecico, O Estadao de S.Paulo

23 de abril de 2009 | 00h00

Cristian tem um grande amigo no futebol: o técnico santista Vágner Mancini. Ontem, o volante corintiano revelou sentir muito respeito e admiração pelo treinador, falou do início da carreira e do reencontro com "o mestre" nas finais. O camisa 6 defenderá o Corinthians, domingo, na Vila Belmiro, mas pode ser desfalque para o duelo decisivo do Campeonato Paulista, dia 3 de maio, no Pacaembu.O volante foi indiciado pelo Tribunal de Justiça Desportiva (TJD) e corre risco de suspensão de até dez jogos. Será julgado na segunda-feira. Ele foi incluso no artigo 258 (assumir atitude contrária à disciplina ou à moral desportiva, em relação a componente de sua representação, representação adversária ou de espectador) por comemorar um gol contra o São Paulo com gestos obscenos. "Estou tranquilo, pois os advogados do Corinthians já estão trabalhando para provar que não quis ofender ninguém", mostra calma o camisa 6. "Só fico com medo de ser preso. Não fiz nada para merecer isso." A Polícia Civil abriu inquérito justamente pela gesticulação. Na esfera policial, poderia pegar até 6 meses de prisão.Cristian já ouviu dos advogados do clube, porém, que dificilmente irá a júri que não seja no âmbito desportivo. "Estava apenas feliz com o gol, não quis desrespeitar ninguém", disse na sede da Federação Paulista de Futebol (FPF), sexta-feira.Deixando de lado os tribunais, Cristian pretende ser um "filho ingrato" na Vila Belmiro. Revelado para o futebol por Vágner Mancini, eles serão inimigos nos próximos dois jogos. "Foi ele quem me colocou pela primeira vez num time profissional (no Paulista, de Jundiaí). Sou muito grato a ele, temos uma amizade grande e nos falamos todos os dias", afirma o volante. Será o segundo confronto dos times no ano. No primeiro, vitória corintiana por 1 a 0. "Até dei minha camisa para ele após o jogo. Mas, no domingo, é cada um defendendo seu pão."Nada, porém, de desafiar o mestre em apostas. "Apenas tenho de agradecer a oportunidade que o Mancini me deu na carreira. Eu era zagueiro, ele disse que me destacaria como volante, me colocou para jogar, ganhamos a Copa do Brasil (em cima do Fluminense) e aqui estou."Tudo começou em 2004. Cristian, revelado nas escolinhas do ex-jogador do Palmeiras Baroninho - hoje seu sogro -, e recém-promovido ao profissional, aguardava uma chance. Mas era pouco aproveitado por Zetti. O treinador saiu, veio Mancini e sua carreira deslanchou. "Antes, porém, cheguei a ser gandula em alguns jogos, em 2003. Mas tudo bem", diverte-se, antes de elogiar o santista. "É o treinador que todos gostariam de ter, um cara humilde, honesto, que não faz sacanagem... Torço por ele, ligo sempre para parabenizá-lo pelas vitórias. Só espero que elas não venham contra a gente."O Corinthians ficou conhecendo ontem seu próximo adversário na Copa do Brasil. Será o Atlético-PR, que derrotou o ABC-RN por 3 a 1.SENEME APITA 1.º JOGOWilson Luiz Seneme foi sorteado, ontem, e apitará o 1º duelo entre Santos e Corinthians.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.