Tricolor perdoa brigas e renova com Henrique e Casemiro

Clube ameniza rixas com empresários, confirma aumento salarial e estende o contrato dos garotos por mais 5 anos

Bruno Deiro, O Estado de S.Paulo

24 Agosto 2011 | 00h00

Após superar o assédio europeu, vaidade pessoal e influência de empresários, o São Paulo pôde ontem assegurar a permanência de Casemiro e Henrique no Morumbi. Os dois bateram de frente com o clube e foram atendidos: ganharam aumento e renovação de cinco anos no contrato.

Casemiro, que antes do Mundial Sub-20 havia recusado a oferta de aumentar seu salário de R$ 17 mil para R$ 60 mil, aceitou o novo acordo após ter assegurado alto valor em luvas e outras bonificações. Já Henrique, que recebia cerca de R$ 9 mil, também ganhou mais cinco anos de contrato com salário bastante superior (não revelado) e previsão de reajustes periódicos.

"O Casemiro assumiu a posição de titular e o Henrique foi eleito o melhor do Mundial. A remuneração estava defasada", disse o diretor de futebol do São Paulo, Adalberto Batista.

Rebeldes. O primeiro a se rebelar foi Casemiro, no início do ano, ao voltar do Sul-Americano Sub-20 no Peru. O volante cobrou publicamente maior valorização e chegou a ficar na reserva por causa disso. Seu empresário, Julio Fressato, teria oferecido o volante a times da Itália, irritando ainda mais a diretoria do São Paulo. "Lavamos a roupa suja, ele sabe que não foi correto e chegamos a um entendimento", garantiu ontem Adalberto Batista.

Henrique, eleito o melhor jogado do último Mundial Sub-20, repetiu a postura de Casemiro após o torneio na Colômbia. Para piorar, o atleta é representado por Giuliano Bertolucci, o mesmo empresário que foi à Justiça para tirar Oscar do Morumbi.

O jogador chegou a cogitar o uso de uma brecha jurídica para deixar o clube. "Às vezes eles falam o que mandam falar, e usam termos jurídicos que não entendem direito", disse Adalberto.

O diretor minimizou as críticas do atacante. "O São Paulo também faz mea-culpa pela demora no acerto", disse ele, que promete mais espaço para o atleta. "Achamos justo que jogue com mais frequência".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.