Triplo pode virar 2ª prova de Maurren

Maurren Higa Maggi apenas "brincava" no salto triplo quando veio treinar com Nélio Moura, no Ibirapuera, São Paulo, em 1994. "Tinha uma técnica ruim", lembrou o técnico. Usando o triplo nos treinamento para aperfeiçoar o salto em distância e os 100 metros com barreiras, Maurren aprendeu a técnica da modalidade. No último sábado, em São José do Rio Preto, ela saltou 14,32 metros, novo recorde sul-americano e a melhor marca do ano no ranking mundial da Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF). Depois disso, o técnico Nélio Moura anunciou nesta segunda-feira que o triplo será a segunda prova de Maurren, no lugar dos 100 metros com barreiras, se ela "mostrar consistência, o que significa saltar mais de uma vez perto dos 14,30 metros ou um pouco mais". O técnico observou que com essa marca a saltadora seria uma das oito finalistas no Mundial de Edmonton, Canadá, em 2001. Maurren, de 25 anos, campeã pan-americana, mundial universitária e dos Jogos da Amizade, competirá no fim de semana, em São Caetano do Sul, na Copa Sudeste de Atletismo Troféu Adhemar Ferreira da Silva. A saltadora já havia cravado 7,01 m no salto em distância, dia 9, em São Caetano, também o melhor resultado do ano no mundo. Maurren fez uma boa base e mostra, nesse início de temporada doméstica, que pode competir bem na Europa. No começo de abril, ela terá a confirmação das provas que fará no circuito europeu, a partir de junho. Este ano competirá nos principais meetings - o salto em distância foi uma das provas selecionadas para compor o calendário oficial de Grand Prix (os torneios de mais destaque). No salto em distância, Maurren está à frente no ranking - um centímetro a separa da australiana Bronwyn Thompson (7,02 m), segunda colocada. No triplo, com 14,32 m, a brasileira passou a liderar, seguida pelas cubanas Olga Lidia Cepero e Yusmay Bicet, com 14,28 m e 14,22 m, respectivamente.

Agencia Estado,

18 Março 2002 | 17h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.