Troca de promotor incomoda diplomatas brasileiros

Saída da fiscal Abigail Saba do caso dos corintianos detidos na Bolívia pode atrasar ainda mais o processo

GONÇALO JUNIOR , RAPHAEL RAMOS, O Estado de S.Paulo

28 de março de 2013 | 02h00

CORINTHIANS. LEIA MAIS NOTÍCIAS NO

estadao.com.br/e/corinthians

Um dia após os parlamentares da Comissão de Relações Exteriores do Senado e diplomatas brasileiros criticarem as condições da prisão em que os 12 corintianos estão presos em Oruro, temendo pela sua integridade física, a fiscal de investigação Abigail Saba, que acompanhava o "caso Kevin" desde o início, foi afastada do processo.

Ontem, a embaixada brasileira informou que Abigail seria substituída por causa de um "rodízio dos promotores", segundo a versão oficial do Ministério Público boliviano. O novo fiscal de investigação será Alfredo Santos.

Embora a mudança pareça, à primeira vista, uma vitória da diplomacia brasileira, a troca causou irritação e estranheza já que Abigail vinha acompanhando todas as investigações desde o dia 21 de fevereiro, quando foram presos os 12 corintianos acusados de envolvimento na morte do torcedor Kevin Espada, atingido por um sinalizador na partida entre San Jose e Corinthians, pela Taça Libertadores.

"Essa mudança demonstra a incerteza do governo boliviano quanto ao rumo das investigações", afirma o senador Ricardo Ferraço, presidente da Comissão de Relações Exteriores, e que esteve em Oruro na segunda-feira. "Nós precisamos de celeridade nesse processo. É hora de agir com rapidez. A mudança vai trazer ainda mais incerteza para os brasileiros", completa.

Eduardo Saboia, ministro conselheiro da embaixada brasileira em La Paz, também mostrou desapontamento e preocupação. "É uma situação muito estranha já que estamos no meio de um processo", avalia.

O principal temor das autoridades brasileiras é mais um atraso no processo. O novo fiscal pode pedir novas investigações, depoimentos e solicitar um prazo maior para analisar as provas.

O Ministério Público de São Paulo já encaminhou para o Itamaraty as informações que haviam sido solicitadas por Abigail Saba (cópia do vídeo em que o torcedor de 17 anos assume a autoria do disparo em entrevista ao Fantástico e a ficha de antecedentes criminais dos corintianos presos). Por outro lado, a justiça brasileira aguarda os trâmites burocráticos para que a cooperação entre as justiças seja concretizada. Os promotores também não receberam cópias do processo já que nenhuma prova do crime está no Brasil.

Abigail Saba era considerada "linha-dura" pelos diplomatas brasileiros na condução das investigações. Em entrevista à Rádio Estadão, por exemplo, logo após a prisão dos brasileiros, Abigail colocou em dúvida a confissão feita no Brasil pelo menor de 17 anos e disse que não cederia "às pressões políticas e diplomáticas no tratamento do caso".

Ferraço reafirmou a necessidade de o governo brasileiro agir com firmeza no caso que avaliou como "questão diplomática".

A próxima providência da comissão do Senado será agendar uma reunião com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo para decidir as medidas que o governo brasileiro poderá tomar para agilizar o processo. Desse encontro deve participar também o presidente do Corinthians, Mario Gobbi. A assessoria do clube confirmou que no dia 2 de abril o dirigente corintiano se reunirá com Antônio Patriota, ministro das Relações Exteriores.

Após a visita a Oruro, os parlamentares identificaram outro complicador na prisão dos corintianos, que transcende a questão jurídica. Os torcedores seriam objeto de barganha política pelo governo boliviano pelo fato de o Brasil ter concedido asilo político a um senador da oposição, Roger Pinto, há mais de 300 dias na embaixada brasileira em La Paz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.