Divulgação/ Chelsea
Divulgação/ Chelsea

Tuchel exige Chelsea 'concentrado' e sem querer administrar vantagem contra o Porto

'Este é o desafio, não perder a cabeça', avalia o treinador francês

Redação, Estadão Conteúdo

12 de abril de 2021 | 15h20

O Chelsea chega ao duelo de volta das quartas de final da Liga dos Campeões da Europa diante do Porto com enorme vantagem, após 2 a 0 no jogo de ida. Empate ou derrota por um gol servem para classificação em Sevilha, na Espanha. O treinador, porém, não admite que seus jogadores entrem em campo acomodados e com pensamento de "administrar o resultado". Ele exige concentração e entrega na busca por nova vitória.

"Em termos de adaptação ao resultado, fica mais fácil para o Porto, porque sabe o que é preciso fazer para seguir em frente", disse Tuchel. "Se começarmos a nos adaptar (com a vantagem), podemos facilmente perder a cabeça. E o que isto significa? Pode ser suficiente para ajudar a ser derrotado. É bom empatar, ou melhor, 1 a 0 para nós. Por que devemos entrar neste pensamento?", questionou.

E não deixar os jogadores sem concentração e relaxados se tornou sua missão antes do confronto de volta, mais uma vez em campo neutro. "Este é o desafio, não perder a cabeça", assumiu. "Esqueça o resultado, temos de nos entregar. Se não nos entregarmos, não podemos esperar nenhum resultado positivo. Temos que estar livres em nossas mentes para reagir às situações em campo".

Além do duelo com o Porto, o Chelsea tem pela frente, nesta semana, a semifinal da Copa da Inglaterra diante do Manchester City. Tuchel não esconde sua ambição em seguir forte na luta pelos dois títulos. E não vê motivos para se esquivar em falar de conquistas, diferentemente da maioria dos treinadores que optam por discurso mais defensivo.

"Se você vencer jogos consecutivos, é claro que pode ganhar títulos", disse Tuchel. "O Chelsea tem cultura, história e mentalidade para o fazer. Estou aqui para ganhar jogos e títulos. Isso é o que exijo de mim mesmo, então por que deveríamos agora dizer algo diferente? Que queremos vencer em cinco, três ou dois anos? Agora é a hora".

O discurso motivacional vem graças ao belo trabalho no clube, com somente uma derrota e muitos resultados positivos (13 vitórias e quatro empates). Confiante, apenas a possibilidade de não contar com o volante Kanté parece tirá-lo do sério.

"Kanté perdeu um pouco do sono com as viagens e carga de trabalho no treinamento. Ele não consegue treinar como costumava fazer. Quando o vir amanhã vou tomar uma decisão e saber como está. Temos que ter cuidado e não arriscar com ele", afirmou. O jogador viajou para a Espanha, mas pode ser poupado por causa dos problemas físicos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.