Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Tudo por uma vaga no barco de Grael

São e-mails de todas as partes do mundo, com "lobos-do-mar" querendo fazer parte da tripulação do barco brasileiro, na maior e mais tradicional regata de volta ao mundo que será disputada entre novembro de 2005 e junho de 2006. A principal motivação? Torben Grael, já considerado um dos maiores velejadores da história. Será ele o skipper, ou comandante, cargo que aceitou apenas sob a condição de que terá toda a estrutura disponível para brigar pela vitória. Alan Adler assumiu a coordenação geral do projeto "Brasil 1", orçado em US$ 15,8 milhões para a participação na Volvo Ocean Race, e também recebe propostas e currículos de interessados que também dão volta ao mundo, de conhecidos ou não, formais ou bem-humorados. Vêm da Sardenha, na Itália, Cape Town, na África do Sul, e Auckland, na Nova Zelândia, chegam do Havaí, Estados Unidos...A seleção dos dez membros da equipe que passará alguns meses no mar, confinada no barco ou em paradas em cidades consideradas "esquinas do mundo" depois de cada "perna", ou etapa, não é nada simples. A análise necessariamente passa pelas qualidades técnicas de cada um e sua utilidade na tripulação, pela experiência, pela capacidade de trabalho em grupo. Não há prazo, mas Torben - que, só ele, recebeu pelo menos 50 e-mails sondando possibilidade de vaga - diz que essa escolha tem de ser o mais rápida possível. Quem sabe até o fim do mês? Afinal, o barco já está passando da fase dos moldes, em Indaiatuba. "Estivemos agora nos Estados Unidos com o Bruce Ferr (o neozelandês responsável pelo veleiro - maior nome do mundo na área), vi o projeto, trocamos sugestões. Agora vem um especialista inspecionar o molde para começar a construção", conta Torben.Proa - Além do comandante e do navegador - função mais ligada à meteorologia -, há dois ou três proeiros mais especializados e encarregados de regulagem de velas. Não há funções tão determinadas, já que o número de pessoas é relativamente pequeno no veloz barco de 70 pés, com revezamento em turnos na média de quatro horas, pelo menos com quatro no convés (em caso de tempo ruim, pelo menos seis), três de stand by e três descansando. A idéia é alcançar em torno de 800 quilômetros por dia. A previsão é de que 55 canais de tevê transmitam a regata, que deverá ter 2 bilhões de telespectadores na audiência acumulada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.