TV sul-africana transmitirá parcialmente julgamento de Pistorius

Campeão paralímpico começa a responder por assassinato da namorada

O Estado de S. Paulo

25 de fevereiro de 2014 | 14h31

SÃO PAULO - O julgamento de Oscar Pistorius por assassinar a tiros sua então namorada Reeva Steenkamp, em Pretória, África do Sul, em 14 de fevereiro de 2013, será parcialmente televisionado. Nesta terça-feira, os meios de comunicação sul-africanos obtiveram uma autorização para transmitir em tempo real a maior parte do julgamento do processo do campeão paralímpico Oscar Pistorius, exceto o seu depoimento e os relatos das testemunhas. O processo poderá ser acompanhado integralmente por transmissão de rádio.

A transmissão em vídeo da audiência será realizada a partir de três câmeras instaladas em locais estratégicos, com a possibilidade da juíza Thokozile Masipa desconectar os equipamentos quando julgar conveniente. O campeão paralímpico começa a responder criminalmente pelas acusações a partir de 3 de março, pouco mais de um ano após cometer o crime e confessá-lo. Na ocasião, Pistorius teria disparado quatro tiros na porta do banheiro de sua suíte, onde sua namorada estava trancada, ela foi atingida por dois, na cabeça e no braço.

O ex-atleta afirmou que a havia confundido com um assaltante, e alegou legítima defesa. Vizinhos afirmaram terem escutado barulhos e gritos vindos da residência do casal, levantando a hipótese de uma possível briga amorosa momentos antes do crime.

PRÓTESES

As próteses das pernas de Oscar Pistorius podem ser fundamentais na investigação da morte de sua namorada. Segundo a rede de televisão sul-africana, eNCA, ao contrário do que antes se considerava um assassinato à sangue frio, Pistorius teria se levantado da cama sem as próteses quando disparou os tiros que mataram Reeva. Com isso, de acordo com a rede de televisão, diminuem as probabilidades de uma acusação de homicídio premeditado, podendo atenuar a pena de Pistorius.

Tudo o que sabemos sobre:
Oscar PistoriusPistoriusRio 2016

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.