Ultrapassagens devem marcar o GP da Hungria

Essa é a previsão dos pilotos para a corrida de amanhã em Budapeste. O grid será conhecido hoje a partir das 9 horas

Livio Oricchio, O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2011 | 00h00

O treino de classificação para o GP da Hungria, hoje, tem importância para o que pode ocorrer nas 70 voltas da corrida, amanhã, como manda a tradição da prova. "Mas diante da elevada degradação dos pneus evidenciada hoje (ontem) nos treinos livres, tanto dos pneus macios como dos supermacios, a corrida não deverá ser uma procissão, como de costume", disse Fernando Alonso, da Ferrari, segundo mais rápido do dia ontem.

"Teremos de três a quatro pit stops domingo e haverá muitas ultrapassagens." Estabelecer a pole, hoje é sempre importante, lembram os pilotos. "Porém, não imprescindível", afirmou Lewis Hamilton, da McLaren, o mais veloz nas duas sessões de ontem no circuito Hungaroring, em Budapeste. A classificação começa às 9 horas (de Brasília). Os dois, Alonso e Hamilton, venceram as duas últimas etapas, Grã-Bretanha, dia 10, e Alemanha, domingo, e ontem já se impuseram de novo na competição. "É incrível, tomávamos mais de um segundo da Red Bull e agora vamos lutar pelas primeiras colocações no grid e, com certeza, pela vitória", falou Alonso.

Os seis pilotos das três equipes que hoje dominam a Fórmula 1, Red Bull, Ferrari e McLaren, registraram ontem os seis melhores tempos do dia. "Amanhã e domingo será uma luta por milésimos de segundo, entre nós seis", prevê Jenson Button, da McLaren, terceiro ontem. A dupla que conquistou as dez pole positions disputadas até agora não foi além da quarta e quinta colocações, Mark Webber e Sebastian Vettel. Felipe Massa atribuiu a um erro na curva 9 o tempo que lhe valeu só o 6.º tempo. "Não reflete o nosso potencial aqui na Hungria."

Diante a aproximação voraz dos adversários, Vettel, abatido, falou, ontem: "Nosso carro não se comporta como no ano passado". Mas o alemão ainda lidera o campeonato com larga vantagem. "Ferrari e McLaren estão muito rápidas aqui, temos de dar o máximo de cada um na equipe para voltarmos ao topo." O GP da Hungria representa a primeira chance para Ferrari e McLaren romperem a hegemonia da Red Bull nas definições do grid: 7 poles para Vettel e 3 para Webber.

Como explicar que no GP da Espanha, dia 22 de maio, quinto do calendário, Alonso terminou uma volta atrás do vencedor, Vettel, e agora, dois meses e seis provas depois parece poder ser mais rápido que Vettel e Webber? "Eles finalmente entenderam como funciona o escapamento aerodinâmico e estão tirando proveito", comenta Paddy Lowe, diretor técnico da McLaren. "Foi o que fizemos entre o último teste de inverno e a abertura do Mundial, na Austrália."

Bruno Senna. Muito bom o treino do brasileiro com a Renault. Completou 25 voltas, sem erros, e ficou a 8 décimos de Vitaly Petrov, o outro piloto. Bruno não conduzia desde fevereiro. "Quando me acostumei com os pneus, Kers e asa móvel, o treino acabou."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.