Ultrapassagens vão dar emoção às 6 Horas de SP

Diferença entre os carros na disputa garante muitas variações na corrida de sábado: hoje começam os treinos livres

Amanda Romanelli, O Estado de S.Paulo

13 de setembro de 2012 | 03h07

SÃO PAULO - A prova é uma só - e vai durar seis horas ininterruptas. Os carros são, inegavelmente, grandes máquinas. Mas a diferença entre os veículos que participam do Mundial de Endurance, as disputas de longa duração, garante ultrapassagens emocionantes sob o risco de acidentes tão graves quanto espetaculares.

Esse é um dos atrativos da prova 6 Horas de São Paulo, que será realizada no sábado, a partir do meio-dia, no Autódromo de Interlagos, e terá hoje suas duas primeiras sessões de treinos livres. A prova brasileira é a 5.ª etapa do Mundial, que está em sua edição de estreia e pretende reavivar a disputa entre montadoras.

São duas categorias (protótipos e GT) que dividem a pista. Os protótipos - ou Le Mans Prototype (LMP) - são aqueles sem produção industrial, criados especialmente para provas em pista. A categoria é subdividida em duas. Na LMP1, participam somente as montadoras - a Audi, que rivaliza com a Toyota, já garantiu o troféu entre os construtores. Na LPM2, são times independentes.

Os GTs, ou carros de turismo, são veículos já em produção - pelo menos 100 exemplares de grandes fábricas ou 25 de pequenas montadoras. A categoria é subdividida entre pilotos profissionais e amadores.

A diferença de velocidade é marcante. Nas 6 Horas de Silverstone, última etapa antes de Interlagos, o Toyota da categoria LMP1 atingiu 203,8 km/h em sua melhor volta. Dividiu a pista com um Porsche 911 RSR, da categoria GT Amador, que fez no máximo 167 km/h.

"Os pilotos terão como maior dificuldade ultrapassar os retardatários, por causa da diferença de velocidade. Há muito tráfego na pista", explica Emerson Fittipaldi, bicampeão da Fórmula 1, que é o promotor da etapa brasileira do Mundial. "Esse é um dos principais motivos dos muitos acidentes em Le Mans, além, claro, do cansaço dos pilotos em dirigirem por um longo período. Será um grande desafio." Nos 80 anos das 24 horas de Le Mans, 21 pilotos morreram.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.