Um clássico sob as sombras da crise

O São Paulo, entre os últimos na tabela e com problemas no elenco, recebe o turbulento Santos no Morumbi

Giuliander Carpes e Sanches Filho, O Estadao de S.Paulo

19 de julho de 2009 | 00h00

Os donos da casa não vencem uma partida há três rodadas, perderam o último jogo de "forma vergonhosa" - como Hernanes disse - e já se conformam em terminar um ano sem títulos depois de quatro temporadas de sucesso (títulos da Libertadores e do Mundial, em 2005, e do Brasileiro, nos três anos seguintes). Os visitantes fazem campanha aquém do que esperavam e os dirigentes sucumbiram à pressão da torcida para demitir um técnico promissor e trazer um velho conhecido. Parece um confronto de equipes de segunda linha. Mas é o clássico do São Paulo contra o Santos, às 16 horas, no Morumbi. Dois times que atuam sob as sombras da crise.Ricardo Gomes assumiu o São Paulo com a difícil tarefa de reaglutinar os jogadores depois de eliminações que levaram à demissão do vitorioso Muricy Ramalho. Começou com vitória (2 a 0 diante do Náutico), mas a realidade logo mostrou sua cara feia e o novo técnico não consegue achar onde o valorizado elenco escondeu o bom futebol. Entre uma derrota e outra, os jogadores ainda explodem em reclamações públicas, exatamente as situações que derrubaram Muricy."O time precisa melhorar. Parece que está de barriga cheia", cobra o superintendente Marco Aurélio Cunha. O que o São Paulo ainda não quer cogitar, mas fica cada vez mais próxima é a ameaça da zona de rebaixamento - está apenas um ponto à frente do primeiro time no descenso. "Sem desespero, temos de jogar pensando no que precisamos fazer e não no que pode acontecer", diz Ricardo Gomes, que não contará com Borges e Jorge Wagner, suspensos. Washington pode ter nova chance no ataque e Richarlyson volta à equipe titular. O Santos contratou Vanderlei Luxemburgo. Mas o time que chegou à final do Paulista mesclando jovens talentos e jogadores experientes, está abalado por maus resultados e também corre o risco de terminar a rodada na zona de rebaixamento. O técnico Serginho espera atuação como a do 2º tempo do jogo contra o Barueri, quarta-feira, quando saiu da derrota por 3 a 1 para o dramático 3 a 3. O clássico é especial para o interino, o maior artilheiro da história do time tricolor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.