Um domingo perfeito para o Barça

Com 2 gols de Messi, equipe catalã vira sobre o Osasuna e vê o rival Real Madrid ser derrotado pelo Getafe

MADRI, O Estado de S.Paulo

27 de agosto de 2012 | 03h04

Depois de duas rodadas do Campeonato Espanhol o placar dos dois duelos que mais chamam a atenção é o seguinte: o Barcelona tem seis pontos e o Real Madrid, um. Messi já marcou quatro gols, e Cristiano Ronaldo não fez nenhum. Talvez nem o mais otimista torcedor do Barça e o mais pessimista do Real esperassem este cenário.

Ontem o Barcelona entrou em campo mais cedo e ganhou de virada do Osasuna fora de casa por 2 a 1. Os gols, claro, foram do argentino Lionel Messi. O Real Madrid, também como visitante, saiu na frente do Getafe com um gol de Higuaín. Mas na segunda etapa foi abatido por gols de Valera e Barrada.

Quarta-feira os dois gigantes se encontrarão no Santiago Bernabéu numa partida que valerá taça. Será a decisão da Supercopa da Espanha, que teve vitória do Barça no Camp Nou por 3 a 2 quinta-feira. Uma vitória simples garante o título para a equipe de Madri.

Não foi nada fácil para o time catalão virar o jogo em Pamplona. O placar de 1 a 0, gol de Llorente, durou até os 30 minutos do segundo tempo. E Messi empatou num lance que começou com um impedimento não marcado do chileno Alexis Sánchez. Cinco minutos depois o argentino marcou de novo.

O técnico Tito Vilanova, que foi expulso por reclamar da arbitragem quando seu time perdia por 1 a 0, considerou o resultado importantíssimo. "Na temporada passada perdemos aqui, e é muito difícil bater o Osasuna em seu estádio. Este era um dos jogos mais complicados que teríamos como visitantes."

Sinceridade. Tão surpreendente quanto a derrota do Real Madrid foram as palavras do técnico José Mourinho. Nada de reclamar da arbitragem ou de insinuar que o Barça foi ajudado em Pamplona. O que ele disse com todas as letras é que seu time não jogou nada e por isso mereceu perder. "Tivemos uma atuação inaceitável. Foi uma derrota merecida, que ocorreu mais por culpa nossa do que por méritos do Getafe. Eles não fizeram nada demais, nós é que estivemos muito mal e perdemos o jogo."

Diante da inevitável pergunta sobre a distância de cinco pontos em relação ao Barcelona, o treinador português foi sincero. "É uma diferença muito grande quando apenas seis pontos foram disputados. Começamos muito mal a temporada, com apenas um ponto em dois jogos no campeonato e uma atuação muito ruim no Camp Nou pela Supercopa."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.