Paulo Pinto/AE
Paulo Pinto/AE

Um moleque nada travesso

Juventus, acostumado a dar trabalho aos grandes do Estado, dá adeus ao semestre sem nada para festejar

AMANDA ROMANELLI, O Estado de S.Paulo

11 de abril de 2011 | 00h00

Prestes a completar 87 anos, o Juventus encerrou sua participação na fase classificatória da Série A3 do Paulista, em casa, com uma vitória por 1 a 0 contra o Taboão da Serra. Mas, apesar do resultado positivo diante de sua torcida, ainda não há muitos motivos para se comemorar na Rua Javari. Em sua segunda temporada na Terceira Divisão, o tradicional time da Mooca chegou até a flertar com o rebaixamento, mas alcançou a 18.ª rodada da etapa inicial do torneio com chances de se classificar ao octogonal final, de onde saem os quatro clubes que jogarão a A2 em 2012.

O time fez sua parte, com o gol de Celso, que saiu aos 16 minutos do segundo tempo. Mas a vitória não bastava. O Juventus precisava de uma combinação de resultados em dois outros jogos, um milagre que quase ocorreu. A derrota da Inter de Limeira (que perdeu por 1 a 0 para o Taubaté) foi sacramentada. Mas o Flamengo de Guarulhos, que podia, no máximo, empatar, não deu chances para o Moleque Travesso e venceu o Paulínia por 3 a 1. Ambos terminaram com o mesmo número de pontos (26), mas uma vitória a mais no torneio garantiu ao rival rubro-negro a quarta e última vaga da classificação.

Até domingo, foram apenas 18 jogos disputados na competição, mas o Juventus conseguiu ser liderado por três técnicos diferentes. O atual treinador, Karmino Colombini, foi o mesmo que iniciou o torneio. Mas, após três rodadas, resolveu aceitar uma proposta do Barueri. Acabou substituído por seu auxiliar, Genílson França, que depois cedeu lugar para Ivo Secchi, em meados de fevereiro. Com o comandante, chegou a figurar na zona do descenso. Porém, Colombini acabou sendo demitido pelo Barueri (este, sim, rebaixado) e voltou para a Mooca, a cinco rodadas do fim da fase de classificação.

Todo este vai e volta, pontuado por inúmeros protestos dos torcedores, ocorreu no primeiro ano em que o departamento de futebol profissional do Juventus foi totalmente entregue a uma empresa - no caso, o grupo Planinvesti, que há cinco anos criou o Clube Atlético Diadema, time empresa que deve estrear na Quarta Divisão no ano que vem. O investidor, que ficará no clube ao menos até o fim da Copa São Paulo de 2012, assumiu todos os custeios do departamento: contratou jogadores, comissão técnica e empossou o ex-jogador Paulo Sérgio como diretor de futebol. Os parceiros admitem que, até agora, não tiveram lucro qualquer em sua aventura no Juventus, clube que não revela um jogador há quase uma década. O último foi Wellington Paulista, apresentado oficialmente no Palmeiras na sexta-feira.

O Juventus só voltará a disputar uma partida profissional no segundo semestre, quando estrear na Copa Paulista. Fora de campo, outra batalha será travada: no fim do ano, o clube terá eleições presidenciais.

Na briga pelo acesso à Série A2, continuam oito equipes: Penapolense e Grêmio Osasco (líderes dos Grupos 1 e 2), Santacruzense, São Carlos, XV de Jaú, Velo Clube, Taubaté e Flamengo. Para o Juventus, o sonho de voltar à A2 recomeça somente em 2012.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.