Um ponto separa o São Paulo da glória

A sexta taça nacional isolará time como o maior vencedor do País

Amanda Romanelli, O Estadao de S.Paulo

06 de dezembro de 2008 | 00h00

Faltavam dois pontos. E, desde o empate com o Fluminense, por 1 a 1, há uma semana, apenas um mísero, mas imprescindível, pontinho separa o São Paulo de uma façanha: tornar-se o maior campeão brasileiro da história. O 6º título nacional passa, necessariamente, por um resultado positivo contra o Goiás, às 17 horas, no Bezerrão. Vitória ou empate garantem festa são-paulina na cidade-satélite do Gama. Derrota, só se o Grêmio perder também. Siga online todos os lances da rodada Simule os jogos e veja como ficaria a tabela Vote: Quem ficará com o título do Brasileiro? O jogo do Distrito Federal tem jeito de prorrogação para o São Paulo. Afinal, quase 70 mil pessoas lotaram o Morumbi, no último fim de semana, para ver o time conquistar o campeonato brasileiro pela terceira vez consecutiva. O Fluminense frustrou os planos paulistas, a ponto de o técnico Muricy Ramalho dizer que o empate, mesmo em casa, foi bom resultado. O torcedor deixou o Morumbi cabisbaixo. E o time acusou o golpe. Nas entrevistas pós-jogo, falava-se em dar a volta por cima. Rogério Ceni admitiu: "Preferia estar praticamente de férias." Foi Muricy quem trouxe o elenco de volta à realidade. Afinal, apesar do frustrante empate, o São Paulo manteve a liderança do campeonato, conquistada somente a seis rodadas do desfecho da competição, com uma diferença de três pontos em relação ao vice (72 a 69). O título virá como redenção em uma temporada difícil, com problemas que persistiram até o início do 2º turno do campeonato. O São Paulo não chegou a disputar a taça estadual - foi eliminado pelo Palmeiras na semifinal - e parou nas quartas da Taça Libertadores, ao perder a vaga, no último lance do segundo jogo, para o Fluminense, no Rio. Começou o Brasileiro claudicante, não conseguia entrar no G4 . Até que os adversários foram tropeçando e... bem, lá estava o Tricolor, mais uma vez, disputando o título. "Este, sem dúvida, foi o ano em que mais tive dificuldades", lembrou Muricy.Se a taça novamente encontrar as mãos do capitão Rogério Ceni, o São Paulo conseguirá um tricampeonato pela primeira vez em sua história. Seis jogadores - Rogério, Miranda, André Dias, Júnior, Richarlyson e Bosco - poderão comemorar três títulos brasileiros por uma mesma equipe. Muricy igualará a marca de Rubens Minelli e será o segundo técnico a ganhar o tri nacional.Nada mal para o mais jovem dos grandes clubes do País, que no próximo dia 16 completará 73 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.