Um rei deixa as pistas: Maurice Greene

Lesões fazem tricampeão mundial e ex-recordista dos 100 m encerrar a carreira aos 33 anos

O Estadao de S.Paulo

04 de fevereiro de 2008 | 00h00

Ex-recordista e três vezes campeão do mundo nos 100 m e dono de duas medalhas de ouro olímpicas, o americano Maurice Greene anunciou ontem, em Pequim, sua retirada das pistas. Aos 33 anos, o atleta que já ocupou o posto de homem mais rápido do mundo disse que uma lesão sofrida na panturrilha, mês passado, foi determinante para que se decidisse pela aposentadoria.Greene, nascido no Kansas, afirmou que pretende continuar no esporte. Quer ser técnico. E diz que não tem qualquer arrependimento em sua vitoriosa carreira. "É um misto de tristeza e alegria, já que tive uma ótima carreira. Fiz coisas grandiosas. Mas, nos últimos anos, venho sofrendo com contusões que não me deixavam treinar. Por isso, achei melhor parar."O velocista tornou-se recordista mundial em junho de 1999, quando fez os 100 m em 9s79, baixando em 5 centésimos o tempo anterior, de Donovan Bailey. A marca foi de Greene até 2002, quando Tim Montgomery marcou 9s78 - tempo depois retirado do atleta, pego no doping. Quando conseguiu a melhor marca do mundo, Greene já era campeão mundial - havia vencido os 100 m em Atenas/1997. Mas conquistaria um de seus maiores feitos no Mundial de Sevilha, em 1999. Na competição espanhola venceu novamente os 100 m e ainda tornou-se campeão dos 200 m e do revezamento 4x100 m. Este feito coloca Greene em um lugar de destaque no atletismo, já que apenas Carl Lewis e Tyson Gay conseguiram ganhar três medalhas de ouro em um mesmo Mundial. Greene ainda ganharia duas medalhas de ouro na Olimpíada de Sydney (100 m e 4x100 m) e seria tricampeão mundial em Edmonton/2001. "Tenho muitas conquistas importantes", reconheceu. "Os ouros olímpicos, os campeonatos mundiais. Isso significa muito para mim. Simplesmente quis ser o melhor que podia, quis ser o melhor da história."Greene deixa as pistas sem ter outras marcas superadas. O americano é o atleta que mais vezes correu os 100 m abaixo dos 10s: fez isso 52 vezes. E mantém o recordista mundial dos 60 m em pista coberta (6s39), obtido em 1998 e que ele mesmo igualou em 2001. A marca, porém, pode ser quebrada em março, quando o Mundial de Pista Coberta será disputado em Valência, na Espanha.TYSON GAY: SEM DOPINGUm dos discípulos de Greene nas pistas, o americano Tyson Gay, de 25 anos, atual campeão mundial dos 100 m e 200 m, afirmou ontem que garante, com 100% de certeza, que nunca terá um resultado de doping positivo. "Tudo o que você faz de maneira escusa acaba sendo revelado. E acho que muita gente no esporte já percebeu isso." Assim, promete não decepcionar os fãs do atletismo, como fez Marion Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.