Um título inédito para mudar a história do Bonsucesso

Clube do subúrbio do Rio, que projetou Leônidas da Silva, reivindica o reconhecimento da conquista de 1919

Silvio Barsetti / RIO, O Estado de S.Paulo

10 Abril 2011 | 00h00

Lamartine Babo compôs o hino do Bonsucesso, clube do subúrbio carioca, exaltando um dos grandes craques do futebol brasileiro: "Lá surgiu um jogador sensacional, surgiu Leônidas, o maioral."

Inventor da bicicleta, o lance imortalizado num salto elegante de Pelé em 1965, Leônidas da Silva deve suas primeiras convocações para a seleção brasileira, em 1932, ao Rubro-Anil. O início da trajetória daquele que se tornaria o melhor atleta do Mundial de 1938 é o principal capítulo da história do Bonsucesso. Outro, porém, pode ser escrito nos próximos dias. Respaldado por pesquisas e uma série de dados e considerações sobre a organização de ligas esportivas no início do século passado, o clube reivindica junto à Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Fferj) o título da Primeira Divisão carioca de 1919.

Naquele ano, o Bonsucesso foi campeão da Liga Suburbana de Futebol (LSF), uma entidade de clubes que aceitavam negros e mestiços em suas equipes e, em parte, por isso, eram desprezados pela Liga Metropolitana de Desportos Terrestres, reduto da elite do futebol carioca.

"Eu pensei que ia morrer sem ver o Bonsucesso campeão. Surgiu uma esperança." A declaração emocionada de Fernando Meirelles Filho, de 63 anos, reflete a expectativa dos mais apaixonados pelo clube. Não são muitos. Seu Paladini, Zequinha, Maneca, Júnior da Portela, Arnaldo, André do Computador e mais alguns abnegados não perdem nenhuma partida do Bonsucesso.

"Tudo bem que eu não vi o time de 1919 em ação, mas, se for proclamado campeão, já me dá o direito de descansar em paz", acrescentou Meirelles, advogado que foi o último a chegar à missa de 15 anos da filha, Janaína, por causa de um jogo de seu time.

Destaque. A campanha do Bonsucesso, com oito vitórias, cinco empates e duas derrotas, mereceu registro na edição de 12 de novembro de 1919 do Jornal do Brasil. Na época, todos os grandes diários com sede no Rio (Gazeta de Notícias, Correio da Manhã e O Paiz, entre outros) publicavam com frequência informações sobre a Liga Suburbana, embora sem o destaque dedicado à Metropolitana.

Para disputar a competição, o Bonsucesso teve de vencer a Segunda Divisão da LSF em 1918.

"Se vier o título de 1919, ninguém no colégio vai zombar mais de mim", afirmou Fábio Pinho, carinhosamente chamado no clube de "Zé Gotinha". O rapaz, de 12 anos, era vascaíno, mudou de time há pouco tempo e não se incomoda de não ter nenhum amigo ou conhecido da idade dele que torça pelo Bonsucesso. "Vou sempre sozinho para os jogos, já estou acostumado." A decisão de Fábio deixou o pai preocupado, como revelou o garoto. "Ele não entendeu muito bem a minha opção, me fez um monte de perguntas. Sou torcedor do Bonsucesso por vontade própria."

Estudo. Professor de geografia e benemérito do clube, George Joaquim Machado organizou os documentos entregues à Fferj. Para ele, o reconhecimento do título é uma questão de justiça: "A Liga Suburbana de Futebol não era uma sub-liga. Constituída por divisões, 1.ª e 2.ª, expandia o futebol carioca além do centro e da zona sul da cidade, cobrava taxas de inscrição mais acessíveis e era uma bandeira importante contra as discriminações."

A federação dispõe de uma comissão para analisar o caso, não tem pressa para a definição, mas já sinalizou informalmente que vê com simpatia o pedido do Bonsucesso. A honraria inédita para o clube da Rua Teixeira de Castro, onde está localizado o Estádio Leônidas da Silva, seria dividida com o Fluminense, vencedor da Liga Metropolitana daquele ano e detentor oficial do título de campeão carioca de 1919.

REGISTROS DA HISTÓRIA

"No espaçoso e bem tratado ground do primeiro (Cascadura), encontrar-se-ão no próximo domingo, 5 do corrente, em disputa do campeonato da 1ª Divisão da Liga Suburbana de Football, as valorosas equipes dos disciplinados clubes (Cascadura e Bonsucesso)..."

Gazeta de Notícias, 3/10/1919,

na apresentação do jogo Cascadura x Bonsucesso

"Realizou-se no domingo... o jogo de campeonato entre os dois clubes (Dois de Junho x Bonsucesso)... O aspecto da bella praça de sports do Riachuelo era deslumbrante; pois as archibancadas estavam apinhadas de centenas de apreciadores do sport bretão, que applaudiam a cada instante os passes emocionantes dos litigantes... Terminou assim a pugna com um empate de 2 x 2."

Correio da Manhã, 11/11/1919,

texto sobre o jogo Dois de Junho x Bonsucesso

"Finalizou domingo último o campeonato da Liga Suburbana de Football com a victoria do Bonsucesso, que obteve 21 pontos, tendo derrotado os clubes Modesto, Central, Cascadura, Dois de Junho, Dramático e Mavilles e empatado com o Riachuelo e Confiança e perdido para o Engenho de Dentro no 1.º turno (...). Assim, na próxima sessão do conselho dessa entidade suburbana será proclamado campeão da 1.ª divisão o Bonsucesso FC."

Jornal do Brasil, 12/11/1919

Estádio inaugurado em 1929 para 10 mil pessoas

1

Fábio Pinho, de 12 anos, lamenta nunca ter visto o Bonsucesso enfrentar Flamengo, Fluminense, Vasco ou Botafogo.

2

O Bonsucesso FC foi fundado em 12 de outubro de 1913 por meninos entre 12 e 16 anos que jogavam futebol nas ruas do bairro.

3

O clube tem dívida aproximada de R$ 800 mil, conta com 2.500 sócios proprietários e gasta cerca de R$ 100 mil por mês com o futebol.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.