Uma equipe insaciável

Campeões pela 9ª vez da Liga, jogadores da seleção masculina já querem o título do[br]Mundial em setembro

Nathalia Garcia, O Estado de S.Paulo

27 de julho de 2010 | 00h00

O MELHOR DE TODOS - Destaque da Liga Mundial, Murilo beija a medalha

 

 

O título da Liga Mundial de vôlei foi especial para dois jogadores da seleção brasileira: Murilo e Mário Jr., que foram eleitos o melhor jogador do torneio e o melhor líbero, respectivamente. Apesar de ainda eufóricos, os dois desembarcaram ontem já de olho nos próximos desafios.    

 

 

Assista videoNa TV Estadão, Dante e Giba falam sobre o futuro    

 

Para Murilo, a honra recebida - e o prêmio de US$ 30 mil (aproximadamente R$ 53 mil) - faz parte de um trabalho progressivo e não se deve apenas ao seu desempenho nesta Liga. Segundo acordo firmado na "Era Bernardinho", o jogador ficará com metade da premiação, dividindo o restante com a equipe. "O prêmio não foi só por esses jogos e por essas finais, mas por um trabalho que começou na seleção juvenil. Ter sido escolhido o melhor jogador foi resultado do meu desempenho no ano passado somado à campanha nesta Liga."

O ponteiro revela que não ficou totalmente surpreso com a escolha e que essa possibilidade já era apontada por seus companheiros de equipe. "Os meninos falavam que se o Brasil fosse campeão eu seria eleito o melhor jogador. Então, mais ou menos que esperava." Apesar de ter sido escolhido como Jogador Mais Valioso (MVP, em inglês), ele não acredita que esteja vivendo a melhor fase da carreira e destaca sua menor eficiência no ataque como algo a ser trabalhado. "Não sei se um jogador consegue chegar no ápice. Fui muito bem no bloqueio, na recepção e no saque, mas sei que posso melhorar no ataque."

Já Mário Jr., que entrou na equipe nesta temporada com a responsabilidade de substituir o melhor jogador de 2009, Serginho - afastado por causa de uma cirurgia de hérnia de disco -, acredita que o título foi recompensa por toda pressão e responsabilidade envolvida no torneio.

"Este prêmio é fruto de um trabalho com a seleção de melhorar posicionamento de defesa, passe. Na minha posição sou só eu. Tenho que estar bem, e ter a confiança do chefe (o técnico Bernardinho)."

Murilo agora espera que o feito na Liga sirva de preparação para o Mundial, que será disputado entre 24 de setembro e 10 de outubro, na Itália. Ainda assim, constata que o time tem uma difícil missão. "Não vamos nos iludir, o Mundial é muito mais difícil. A Liga permite que você perca, o que não acontece no outro campeonato. Mas acho que as seleções não devem fugir muito do que apresentaram na Liga."

O Brasil fechou sua participação na Argentina com 15 vitórias e apenas uma derrota para a Holanda. Apesar do nono título, a seleção de Bernardinho recebeu críticas pelo desempenho nas primeiras partidas da fase final da Liga Mundial - especialmente diante da Argentina e Sérvia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.