Uma final em preto e branco

Ronaldo brilha, Corinthians elimina São Paulo e decide com o Santos

Amanda Romanelli e Fábio Hecico, O Estadao de S.Paulo

20 de abril de 2009 | 00h00

O Campeonato Paulista terá uma final em preto e branco. Corinthians e Santos disputam o título nos dois próximos domingos. Há 25 anos as equipes não se encontram em uma decisão estadual. Desde 1984, quando Serginho garantiu a festa santista. Em 2002, decidiram o título brasileiro e, de novo, o time da Vila levou a melhor.   Enquete: quem será o campeão paulista?Graças ao triunfo sobre o São Paulo no Morumbi, por 2 a 0, e também por ter vencido o primeiro jogo no Pacaembu por 2 a 1, o Corinthians jogará por dois resultados iguais. Hoje, na Federação Paulista, os clubes definem o palco dos dois jogos."Ô, o freguês voltou, ô, o freguês voltou", cantaram ontem 5 mil corintianos no Morumbi, calando o estádio do rival. Provocado pelo vice-presidente de futebol do São Paulo, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, Ronaldo mostrou não ser um "ex-jogador". O Fenômeno participou do primeiro gol e marcou o segundo. Comemorou com os braços cruzados, como Cristian na semana passada, mas, em vez dos dedos médios, esticou os indicadores. Foi um jogo com muitas oportunidades. Brigado, empolgante. E com tempos distintos: a primeira etapa foi são-paulina, mas na fase final o domínio corintiano foi amplo, principalmente após os gols, duros golpes para um bravo mas combalido São Paulo. Ontem, os técnicos repetiram o mistério feito no Pacaembu. A escalação só saiu com as equipes em campo. O Corinthians repetiu o time. Muricy optou pelo esquema que deu certo no rival: três atacantes, com a entrada de Dagoberto.O São Paulo precisava de ao menos um gol. E merecia tê-lo feito nos primeiros 45 minutos. Washington teve chances, mas a falta de tranquilidade fez seus chutes serem defendidos por Felipe. "É um jogo disputado. Vamos ver se aproveitamos as oportunidades no 2º tempo", dizia um Washington cabisbaixo.O Corinthians também demonstrava nervosismo. Chutava a bola para qualquer lado e apelava para os contragolpes. Raros, mas sempre velozes. Num deles, Ronaldo recebeu como gosta, mas Bosco defendeu. "Precisamos segurar a bola na frente", receitava Dentinho.O São Paulo voltou arrasador. Aos 34 segundos da fase final, Borges carimbou o travessão, de cabeça. Mas a empolgação virou descuido. Aos 10 minutos, em um escanteio, Hernanes errou a cabeçada e Douglas puxou o contragolpe. Rolou para Ronaldo, que cruzou para Jorge Henrique, livre, acertar a trave. Na volta, Douglas fez.O Corinthians selaria a vitória 2 minutos depois. Cristian lançou Ronaldo, que ganhou de Rodrigo na corrida e tocou na saída de Bosco. Era a vitória, a vaga e a Taça dos Invictos.Depois disso, o São Paulo se rendeu. Nos minutos finais, a torcida alvinegra comandou um ?olé? em pleno Morumbi, o que culminou com a expulsão de Rodrigo ao fazer falta em Dentinho. O atacante recebeu o terceiro amarelo e está fora do primeiro jogo com o Santos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.