Uma medalha de Marion Jones será dada à grega Thanou

Decisão deve gerar críticas, já que a atleta grega também possui histórico de doping em sua carreira

EFE

31 de março de 2008 | 15h58

Depois de muita discussão, a Federação Internacional de Atletismo (IAAF) confirmou, nesta segunda-feira, que uma das medalhas retiradas da atleta norte-americana, Marion Jones, por doping, será dada para a atleta grega Katerina Thanou.De acordo com o porta-voz da IAAF, Thanou receberá a medalha de prata dos 100 m rasos do Mundial de Atletismo de 2001. "Não existe outra opção. Não existem provas que Thanou tinha se dopado na época. Sendo assim, não temos outra solução a não ser atribuir tal medalha à atleta [Thanou]", disse Nick Davies, em entrevista à BBC.Assim como Jones, Thanou vive com o rótulo de ter utilizado substâncias dopantes, uma vez que recusou-se a realizar três exames antidoping antes dos Jogos Olímpicos de Atenas, fazendo com que fosse excluída da delegação grega, além de ser suspensa por dois anos.Diante de tal cenário, o Comitê Olímpico Internacional (COI) recusou-se a entregar a medalha de ouro dos 100 m rasos da Olimpíada de Sydney (2000) - conquistada por Marion Jones - para Thanou.DECISÃO POLÊMICAA decisão da IAAF deve ser contestada por membros da comunidade de atletismo, principalmente dos meios controladores de doping. Já o advogado da atleta, Gregory Ioannidis, elogiou a decisão, definindo-a como 'justa e honesta... Que respeita os direitos da atleta e do esporte". Enquanto as medalhas perdidas por Jones são disputadas, a ex-atleta norte-americana cumpre pena de seis meses por perjúrio, uma vez que mentiu para investigadores do FBI sobre o uso do esteróide THG.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.