Uma obra-prima que chegou tarde

Golaço de bicicleta de Ibrahimovic ficou fora da lista dos melhores do ano por apenas algumas horas

O Estado de S.Paulo

16 de novembro de 2012 | 02h07

Ibrahimovic perdeu a chance de concorrer ao prêmio de gol mais bonito do ano por algumas horas. A Fifa anunciou ontem de manhã os dez gols selecionados para a eleição e, à noite (pelo horário europeu), ele deslumbrou o mundo ao marcar de bicicleta contra a Inglaterra no amistoso disputado em Estocolmo e vencido pela Suécia por 4 a 2. Detalhe: os outros três gols também foram dele.

"Como a votação já está em andamento não temos como incluir um novo gol entre os candidatos", informou um porta-voz da Fifa. A entidade garantiu que o golaço de Ibra será levado em conta na hora de selecionar os dez melhores de 2013, mesmo tendo sido marcado em 2012.

Os gols que concorrem ao prêmio deste ano - entre eles o que Neymar marcou contra o Internacional na Vila Belmiro - estão listados no site da Fifa, e os internautas podem votar em seu preferido. Os três mais votados serão revelados dia 29 de novembro, e então começará uma nova votação no site para definir o vencedor - que será anunciado dia 7 de janeiro.

A obra-prima de Ibrahimovic chamou a atenção por vários motivos: a rapidez de raciocínio para decidir o que fazer - e como fazer - depois que o goleiro inglês Joe Hart tocou fraco de cabeça fora da área; a perfeita coordenação de movimentos para executar a bicicleta; a precisão do chute, que foi diagonal à meta e teve a altura e a força ideais para impedir que o zagueiro que correu para tentar evitar o gol alcançasse a bola.

O capitão inglês Steven Gerrard disse que foi um dos gols mais espetaculares que viu na vida. O técnico da seleção sueca, Erik Hamren, acha que dificilmente alguém conseguirá fazer um parecido. Jornais e sites da Europa o colocaram na lista dos mais belos gols da história, e se fartaram de elogiar o talento do craque sueco.

Do contra. Houve, claro, vozes dissonantes. Para o técnico da seleção da Noruega, Egil Olsen, o gol não foi lá essas coisas.

"Foi fácil marcar, porque o goleiro estava fora do gol. Sem goleiro é fácil fazer até de distâncias maiores."

Ibrahimovic, que tem 31 anos e está começando sua trajetória no Paris Saint-Germain (que no meio do ano o comprou do Milan junto com Thiago Silva), foi fiel ao seu estilo quando lhe perguntaram se tinha dado sorte no lance. Sem falsa modéstia, afirmou: "Vivo fazendo golaços, então não vamos falar de sorte." Em seguida, brincou: "Quando vi que estava fora da lista dos dez gols mais bonitos do ano, resolvi fazer um caprichado."

Com os quatro que marcou quarta-feira ele chegou a 39 pela Suécia e assumiu a terceira posição entre os maiores goleadores da seleção,Está atrás de Gunnar Nordhal (43) e Sven Rydell (49).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.