''Umbigo meu...''

Umbigo, umbigo meu: existe alguém mais importante do que eu? Recorro aos irmãos Grimm (e ao Walt Disney, oras) e me atrevo a adaptar frase famosa de Branca de Neve para entender as explicações de Mano Menezes para a lista de ontem. O treinador olhou seu lado, ao chamar muitos jogadores que atuam no Brasil para o amistoso com Gana e não pareceu constrangido por esfolar equipes domésticas com a Série A a rolar solta. "O campeonato tem 38 rodadas e não se decide numa só"", ponderou o técnico que conhece o lado de cá do balcão e já sentiu na pele o que é ceder atletas e ficar a ver navios. Também pensou em si ao recorrer a Ronaldinho num momento delicado para a seleção e para o Fla.

Antero Greco, O Estado de S.Paulo

19 de agosto de 2011 | 00h00

Mano tinha aberto o jogo anteriormente, quando disse que ninguém pensava nos problemas dele. Ou seja, não escondeu que é na base do cada um pra si e Deus pra todos. Não acho errado ele convocar os atletas que quiser. Eis uma prerrogativa de treinador de seleção de dar inveja aos colegas. Acrescente-se a isso a responsabilidade de moldar um esquadrão poderoso para a Copa da qual o País será o anfitrião em 2014.

Mano está na dele ao apelar para os que considera melhores no momento, aparentemente sem olhar o calendário. Erra a CBF, que desde o começo do ano sabia das datas Fifa, reservadas para partidas entre seleções, e mesmo assim não mudou o cronograma das competições que patrocina. Azar dos clubes e vida que segue, pois há poderosos que se lixam de montão para questiúnculas.

Chato nesse episódio é a justificativa do comandante do scratch canarinho (ando contagiado pela onda retrô). Mano tirou o corpo fora das reclamações, e, para não divergir do patrão, usou de argumento frágil e furado. Há quase uma década se fala que, em campeonato por pontos corridos, "todo jogo é decisão". O que não deixa de ser verdade. Agora, para cuidar do umbigo (e da cabeça), vem com a conversa de que existem 38 chances para definição e umazinha não fará falta para ninguém?!

Claro que faz falta. E não se trata de uma rodada, mas duas desta vez (20.ª e 21.ª). A seleção teve compromissos neste ano que já prejudicaram um bocado os times locais. Em 4 de junho, por exemplo, enfrentou a Holanda em Goiânia. No mesmo dia, jogava-se parte da 3.ª rodada do Brasileiro. Depois, houve a Copa América, sem que se interrompessem os embates por aqui. Na semana passada o Brasil foi a Stuttgart apanhar da Alemanha - e na Vila se pegavam Santos x Corinthians, desfalcados. Então, não dá pra dizer que se trata de um joguinho.

Há outro aspecto a ser considerado. O Brasil pega a indômita equipe de Gana na segunda-feira em sua sede europeia, Londres - em tempos de futebol business o Maracanã já era, meu amigo - e na quarta, na rodada quente do Brasileiro, tem Corinthians x Flamengo, que brigam ponto a ponto pelo título. Ronaldinho e Ralf devem chegar em tempo para a partida. Mas em que condições? Aliás, era hora de Ronaldinho desfalcar o Fla?

Mano teria feito gol de elegância, se mostrasse solidariedade com seus companheiros e admitisse a falha da CBF. Mas seria ele tonto de cutucar o vespeiro? Ainda mais que precisa de bons resultados para baixar a poeira? Sei que não é fácil contrariar o patrão, eu seria hipócrita de afirmar o contrário. Só não precisava se valer de falácia.

Mesmo assim gostei do retorno de Ronaldinho. Vejo o futebol como espetáculo e, por essa perspectiva, torço para os artistas brilharem. O Gaúcho é um dos grandes e seu ressurgimento é bem-vindo. Não está no nível de anos atrás, mas ultimamente acordou, e como! Tanto que se tornou um dos responsáveis pelo sucesso rubro-negro no Brasileiro. Cá entre nós: se na seleção tem espaço para Fernandinho e outros menos votados, por que não haveria para Ronaldinho? Sem contar que, por mais que Mano diga o contrário, apela para um figurão num momento de baixa na equipe como forma de buscar brilho que tem faltado. Sobrará pro Ganso?

Que medo!. No início da noite de quarta-feira vi novo recital do Barcelona sobre o Real Madrid, e o Messi comeu a bola. Depois, assisti à derrota do Santos para o Coritiba por 3 a 2. Se os dois times jogarem assim no Mundial, será massacre catalão. Valha-nos querido Menino Jesus de Praga! Como sou otimista, acredito que até lá Neymar, Ganso e parceiros terão reencontrado o rumo. Amém.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.