Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

União da força espiritual e física no judô

Um dos lemas a ser seguido é 'empurre quando o outro puxa e puxe quando o outro empurra'

Wilson Baldini Jr., O Estado de S. Paulo

29 de janeiro de 2013 | 14h38

SÃO PAULO - A filosofia oriental ensina que muitas vezes é preciso ceder para vencer. Pois esse é o princípio básico do judô, uma palavra japonesa que significa caminho suave. Na integração corpo e mente, a força espiritual é tão importante quanto a força física.

O judô teve origem no Japão há mais de 2,5 mil anos. O modelo de luta sofreu uma série de alterações até atingir o formato atual. Durante o período feudal, o Japão sofreu inúmeras invasões chinesas. Vários tipos de lutas foram desenvolvidas nesse período. Muitas dessas técnicas não utilizavam armas para ataque e defesa. Um exemplo foi o jiu-jítsu, que desembarcou em terras japonesas em 1650. Esta modalidade de combate foi difundida pelo monge chinês Tsin Gen Pin, que fizera amizade com samurais da ilha de Hokkaido.

Logo, dezenas de estilos foram criados, com o princípio de que o mais fraco fisicamente poderia vencer o mais forte.

Jigoro Kano, um grande mestre de artes marciais, resolveu criar seu próprio estilo na segunda metade do século XIX. Além de fazer alterações na forma de lutar do jiu-jítsu, Kano introduziu as quedas amortecidas e criou uma roupa específica para os judocas: o judogui (quimono).

Em 1882, Jigoro Kano fundou o Instituto Kodokan, que existe até hoje e segue formando grandes mestres. Além das técnicas de ataque e defesa, os seguidores de Kano são formados com o intuito de serem grandes seres humanos antes de grandes atletas. Nos ensinamentos do mestre, respeito, companheirismo, lealdade, justiça e gentileza são essenciais para seus alunos.

A missão do judoca é imobilizar o rival ou fazê-lo tocar o chão com as costas. Para isso, o atleta necessita de equilíbrio, força e agilidade. "Empurre quando o outro puxa e puxe quando o outro empurra" é um lema básico de como se deve superar o adversário. Mas sempre com disciplina. Por isso, é obrigatório que os judocas se cumprimentem antes e depois dos combates. Sempre sob o olhar de Jigoro Kano, representado em todas as academias por uma foto em lugar de destaque.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.