Confederação Brasileira de Hipismo
Confederação Brasileira de Hipismo

União e qualidade dos cavalos levaram ao ouro na Copa das Nações, diz Muylaert

Conquista da equipe brasileira de Saltos na Holanda representa estímulo para os Jogos Pan-Americanos

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

29 de junho de 2019 | 15h55

A qualidade dos cavalos, a amizade entre atletas e o trabalho do técnico suíço Phillipe Guerdat foram fundamentais para a conquista do ouro pela equipe brasileira de salto na Copa das Nações FEI Longines no CSIO5* de Geesteren, na Holanda, na semana passada. A opinião é do cavaleiro Pedro Muylaert, um dos integrantes da equipe. Além de Pedro, o Time Brasil foi formado por Felipe Amaral, Marlon Zanotelli e Pedro Veniss.

“Nosso esporte depende muito da qualidade dos cavalos. A equipe estava com quatro cavalos fenomenais, de grande qualidade. Outro ponto de destaque foi a amizade entre os quatro cavaleiros. Nós somos realmente muito amigos, além de sermos companheiros de equipe. Também foi fundamental foi o trabalho do técnico Phillipe Guerdat. Ele começou em janeiro e o trabalho já começa a dar frutos”, diz Muylaert ao Estado.

A conquista contou com um fato raro na disputa da Copa das Nações: dois cavalos do time campeão pertencem ao mesmo proprietário. Germânico T, que competiu ao lado de Felipe Amaral, e C'est Dorijke, montaria de Pedro Muylaert, pertencem a Ricardo Facchini. Os outros campeões foram Sirene de la Motte, conduzido por Marlon Zanotelli, e Quabri de L Isle, montado por Pedro Veniss.

C'est Dorijke e Germanico T vieram da Holanda para o Brasil quando tinham dois anos. Foram iniciados no haras do proprietário e, quando estavam no auge, foram destinados para Felipe Amaral e Pedro Muylaert. “É uma coisa muito rara. Dificilmente na história de Copas das Nações 5* o mesmo proprietário tem cavalos na equipe campeã com dois cavaleiros diferentes. Foi muito legal”, avalia Muylaert.

"Germânico tem 12 anos, mas ainda não tem muita experiencia. A primeira Copa das Nações dele foi ano passado em La Baule e vencemos. Desde o ano passado, estou com ela na Europa”, disse Felipe Amaral, que integrou a equipe que foi quarta colocada nos Jogos Pan-Americanos de 2015.

A conquista brasileira ocorreu às vésperas da convocação para os Jogos Pan-americanos 2019. Na última quarta-feira, a CBH (Confederação Brasileira de Hipismo) divulgou os 5 conjuntos (cavalo/cavaleiro) que irão disputar o Pan nas modalidades Salto, Adestramento e Concurso Completo. No Salto, as três primeiras equipes carimbam o passaporte de seus países para Tóquio 2020, lembrando que os EUA já estão qualificados com ouro nos Jogos Equestres Mundiais 2018. O Brasil vai defender o hexacampeonato por equipes no Pan.

O Time Brasil será formado por:

Eduardo Menezes / H5 Chaganus

Luiz Felipe de Azevedo Filho / Hermes Van de Vrombautshoeve

Marlon Modolo Zanotelli / Sirene de La Motte

Pedro Veniss / Quabri de L’Isle

Rodrigo Lambre / Chacciama

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.