União Europeia pede mudanças em lei antidoping

O comissário de Esportes da União Europeia, Jan Figel, afirmou nesta segunda-feira que vai pedir alterações no Código Mundial Antidoping, que está em vigor desde o começo do ano, por ferir a privacidade dos atletas, que devem estar o tempo todo à disposição para a realização de exames. A medida já provocou protestos de entidades como a Fifa e a Uefa junto à Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês).

AE-AP, Agencia Estado

27 de abril de 2009 | 13h00

Figel disse que sua reivindicação atenderá ao resultado de um painel de discussões no Parlamento Europeu sobre privacidade e proteção à liberdade individual. Pelo código, os atletas devem informar por e-mail ou celular sua programação pelos três meses seguintes, com detalhes de onde estarão das 6 da manhã às 11 da noite.

"Nossas convicções estão mais firmes agora, e o recado está dado. Esperamos uma resposta positiva, senão todos perdemos", afirmou o comissário. A Wada tem um uma reunião de seu comitê executivo marcada para os dias 9 e 10 de maio, em Montreal, no Canadá, e a expectativa é que as normas sejam revistas. Dias depois, haverá um encontro entre representantes da agência e da União Europeia.

A Wada, por sua vez, deseja manter o polêmico regulamento. "Essa discussão pode prejudicar nossa luta contra o doping", afirma o presidente da entidade, John Fahey.

Tudo o que sabemos sobre:
União EuropéiadopingWada

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.