Phil Noble/Reuters
Phil Noble/Reuters

United e City colocam a honra em jogo nesta segunda, no Campeonato Inglês

Torcidas de ambos os times esperam ansiosamente por um dos maiores clássicos ingleses

MANCHESTER, O Estado de S.Paulo

08 de abril de 2013 | 02h04

MANCHESTER - Na temporada passada, Manchester City e Manchester United levaram até a última rodada a decisão do título inglês, com vantagem para o time azul. Agora, no entanto, a situação é bastante diferente. O United lidera o campeonato com 15 pontos de vantagem para o rival e é apenas questão de tempo para que festeje seu 20º título nacional. Apesar disso, as duas torcidas esperam ansiosamente pelo clássico desta segunda-feira, às 16h (horário de Brasília), em Old Trafford.

Se vencer a partida, o United poderá ser campeão na próxima rodada, mas isso é o menos importante para o lado vermelho do clássico. O que vale mesmo é reafirmar a superioridade sobre um clube que até pouco tempo atrás era seu freguês, mas que agora, graças ao dinheiro do Oriente Médio, é um competidor à sua altura.

Para o lado azul, a vitória hoje é uma questão de honra porque no primeiro turno o City foi derrotado em seu estádio pelo United. Dar o troco na mesma moeda pode não fazer muita diferença no campeonato, mas certamente deixará a torcida do atual campeão sentindo-se vingada.

O United deverá ter hoje o retorno de Wayne Rooney, que desfalcou a equipe na última rodada por causa de uma lesão de virilha. E o City vai jogar completo, já que não tem nenhum jogador com problemas físicos.

CHELSEA DE VIRADA

A vitória por 2 a 1 sobre o Sunderland, em casa, levou o Chelsea de volta à terceira colocação. O time londrino, que saiu atrás no placar, chegou a 58 pontos, a mesma quantidade do Tottenham, que empatou por 2 a 2 com o Everton, em Londres. O Chelsea leva vantagem no saldo de gols.

Chelsea e Tottenham lutam pelo vice-campeonato, pois estão quatro pontos atrás do City.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.