Ivan Alvarado/Reuters
Ivan Alvarado/Reuters

Uruguaio Hernández celebra quatro gols e prevê dificuldade com Brasil

'É um dia histórico para mim, que nunca esquecerei', disse o atacante, que ficou com a bola do jogo

AE, Agência Estado

23 de junho de 2013 | 18h29

RECIFE - Se teve algum jogador da seleção uruguaia que aproveitou a oportunidade de atuar diante do frágil Taiti neste domingo foi o atacante Abel Hernández. O atleta do Palermo anotou quatro dos oito gols da equipe na vitória por 8 a 0, na Arena Pernambuco, que garantiu a segunda colocação no Grupo B da Copa das Confederações. Nas semifinais, o adversário será o Brasil.

"Foi uma emoção muito grande marcar quatro gols na mesma partida, ainda mais sendo pela seleção. Não esperava isso, não sonhava, mas foi muito lindo. Agora é continuar, precisamos da vitória para passar de fase", comentou. "É um dia histórico para mim, que nunca esquecerei", completou o jogador, que deixou o gramado com a bola do confronto sob o braço.

Os uruguaios tentam a primeira classificação para uma final de Copa das Confederações na quarta-feira, quando pegam a seleção brasileira em Belo Horizonte, às 16 horas. Apesar de admitir a superioridade técnica do Brasil, Hernández acredita que sua equipe pode sair vencedora.

"O Brasil é uma grande seleção, com muitos bons jogadores. Mas queremos também fazer um grande jogo e mostrar para que viemos", comentou. "Será um bom jogo. Sabemos da diferença entre Uruguai e Brasil, mas também temos qualidade e vamos lutar pela vitória. Eles já mostraram que são um grande time, têm qualidade, mas também temos."

Neste domingo, diante da fragilidade do Taiti, o técnico Oscar Tabárez aproveitou para poupar os titulares - apenas Diego Pérez começou jogando. Um deles foi Luis Suárez, que entrou no segundo tempo e ainda teve tempo para marcar duas vezes. Para o atacante do Liverpool, o descanso será fundamental diante do Brasil.

"É importante o descanso para uma partida mais difícil, como a que teremos contra o Brasil", disse Suárez, que celebrou o fato de poder enfrentar os brasileiros na semifinal. "Já havia muita possibilidade de enfrentar o Brasil, que se confirmou. Será uma semifinal muito linda."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.