Michael Dalder/Reuters
Michael Dalder/Reuters

Usain Bolt agora mira o ouro nos 200 metros no Mundial

Depois de pulverizar o recorde dos 100 metros, jamaicano disputa já nesta terça as eliminatórias da nova prova

AE-AP, Agencia Estado

17 de agosto de 2009 | 09h00

Depois de assombrar o mundo com mais um recorde mundial dos 100 metros rasos, ao atingir a marca de 9s58 no último domingo, o jamaicano Usain Bolt já mira um novo objetivo no Mundial de Atletismo de Berlim.

Veja também:

linkUsain Bolt quebra recorde mundial e leva o ouro em Berlim

link'Para mim, tudo é possível', afirma Usain Bolt

mais imagens GALERIA DE FOTOS - Imagens do dia 3

especialMUNDIAL - Leia todas as notícias do torneio

forum QUIZ - Participe do teste sobre o Mundial

tabela CALENDÁRIO - Todos os eventos e horários

O velocista começa a disputar nesta terça-feira as eliminatórias e as quartas de final dos 200 metros. Para quarta-feira estão marcadas as semifinais da prova e na quinta será realizada a final, na qual Bolt poderá repetir o feito conquistado na Olimpíada de Pequim, onde conquistou o ouro nos 100 e nos 200 metros rasos.

Bolt, porém, prefere ser comedido ao comentar as suas chances de voltar a vencer nos 200 metros dando um novo show. "Eu tenho dúvidas de que posso quebrar o recorde mundial nos 200 m", afirmou.

Entretanto, se Bolt olhar para o feito histórico que conquistou no domingo, talvez mude seu pensamento. Até mesmo porque o jamaicano ainda ostenta o recorde mundial dos 200 metros, de 19s30, obtido também nos Jogos Olímpicos de Pequim.

Bolt lembra que o norte-americano Tyson Gay é o atual campeão mundial dos 200 metros e ostenta o recorde da competição, com 19s76. "Ele não vai correr sorrindo para mim", brincou.

Tyson Gay, por sua vez, tem as suas próprias dúvidas sobre um possível novo triunfo por causa de sua condição física. "Eu preciso falar com os médicos porque estou com alguma dor agora", avisou. Mas, independentemente de quem vencerá a batalha, Berlim já espera por um novo recorde na final de quinta-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.