Valcke dá 'presente' e faz as pazes com Rebelo

Secretário da Fifa revela que 50 mil ingressos da Copa serão dados a indígenas e beneficiados do Bolsa Família

ALMIR LEITE, PAULO FAVERO, O Estado de S.Paulo

29 de novembro de 2012 | 02h03

O Brasil parece ter mudado um pouco o estilo de Jérôme Valcke, secretário-geral da Fifa. Se antes ele reclamava dos atrasos no País e dizia que precisaria dar um "chute no traseiro" das autoridades, agora ele distribui sorrisos e rasga elogios. Ontem, quebrou o protocolo durante uma entrevista para presentear Aldo Rebelo, ministro do Esporte.

"Estou oferecendo 50 mil ingressos para indígenas e pessoas que recebem o Bolsa Família para a Copa do Mundo", disse Valcke, deixando Rebelo nitidamente emocionado com o gesto. Na ocasião das críticas do dirigente da Fifa ao País, o ministro rebateu com firmeza e disse que Valcke não seria bem recebido. Isso ficou para o passado e parece que a paz está selada. "Esse é um gesto de elevado significado para nosso País e nosso povo", disse Rebelo.

Ele foi pego de surpresa com o presente de Valcke, principalmente porque existiu uma negociação muito grande entre Fifa e os dirigentes brasileiros sobre venda de ingressos para as camadas mais populares. "Esse gesto é uma homenagem ao País do futebol, principalmente para os mais pobres, que têm dificuldade até para pagar a meia-entrada. Vamos fazer chegar às crianças dessas famílias", disse Rebelo, sem precisar como será feita a distribuição.

Do seu lado, Valcke disse que confia na boa intenção do ministro. "A responsabilidade de distribuir é dele."

Elogios. Valcke também esteve ontem no estádio do Corinthians em Itaquera. Ao discursar diante dos operários em pleno canteiro de obras, que pararam de trabalhar para ver o evento que tinha ainda os ex-jogadores Ronaldo e Bebeto, ele elogiou os funcionários e prometeu dar dois ingressos para cada um para ver um jogo da Copa do Mundo. "Estou vendo o comprometimento de cada um de vocês nessa obra."

O executivo da Fifa elogiou bastante a arena corintiana e disse que o projeto é fantástico. "Fomos do centro ao estádio em 19 minutos e vimos os projetos de mobilidade urbana. Também reforço que as obras estão no cronograma", afirmou Valcke.

Na reunião com os governos federal, estadual e municipal, ficou estipulado que as autoridades brasileiras têm até o dia 30 de abril para mostrar como serão bancadas as outras instalações temporárias (áreas de hospitalidade e comercial, além de ampliação do setor de imprensa) no Itaquerão.

O custo estimado também é de R$ 35 milhões, o mesmo valor das arquibancadas móveis para ampliação da capacidade de público. Existe a intenção de arrumar um patrocinador, mas o mais provável é que as esferas governamentais dividam o custo da obra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.