Valcke se impressiona com arena no PR

Durante a sua vinda ao Brasil, o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, aproveitou para visitar ontem as obras da Arena da Baixada, em Curitiba. Ao lado de Aldo Rebelo, ministro do Esporte, e Ronaldo e Bebeto, membros do COL (Comitê Organizador Local), ele conferiu de perto os trabalhos no estádio paranaense que já está com 52,39% de avanço. "É um estádio fabuloso e espantoso com essa cobertura. É um bom investimento para o futuro ter essa cobertura retrátil. Estou bastante impressionado com o projeto", disse Valcke.

CURITIBA, O Estado de S.Paulo

28 de novembro de 2012 | 02h05

Ele se refere à cobertura retrátil que foi projetada, que possibilitará ter jogos com o teto totalmente fechado ou aberto. Será a primeira arena do Brasil a usar essa tecnologia e receberá quatro partidas na Copa do Mundo de 2014. "Um estádio de 45 mil lugares pode acolher certo tipo de jogo, não a abertura ou a final. O estádio tem uma vida depois da Copa. Isso é o que é importante. Vai acolher outros times, outros jogos", explica, lembrando que não tem qualquer preocupação sobre o ritmo das obras na Baixada. "Os prazos de entrega estão bem e o cronograma está sendo cumprido."

Os acompanhantes de Valcke também se renderam ao projeto do estádio e acham que a cobertura dará um charme especial. "O estádio já era maravilhoso e agora vai ficar mais ainda. Fiquei contente, pois o gramado vai ser da melhor qualidade aqui e temos cobrado isso em todos os lugares. Eu já gostava deste estádio e estou encantado", afirmou o ex-jogador Bebeto.

Ronaldo também elogiou o local e confessou que tem um carinho especial pela Arena da Baixada. "Estamos encantados com o que vimos. Parece também que eu fui o primeiro a fazer gol neste estádio com a seleção brasileira. Continuo confiante de que vamos fazer uma grande Copa."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.