Valdivia aparece mancando e não sabe quando joga

Felipão avisa: Obina e Barcos juntos, só com muito treino. Técnico não pretende escalar os dois jogadores no ataque palmeirense ao mesmo tempo, pelo menos por enquanto

DANIEL BATISTA, O Estado de S.Paulo

28 de julho de 2012 | 03h06

Quando foi anunciada a contratação de Obina, muitos torcedores já imaginavam como seria o dueto com Hernán Barcos. Após o primeiro treino da dupla no mesmo time, realizado semana passada, e eles terem atuados juntos por oito minutos diante do Bahia, a expectativa só aumentou. Mas o técnico Luiz Felipe Scolari já avisou que não vê como a dupla atuar junta. Pelo menos por enquanto.

A decisão do treinador lembra muito a que ele tomou quando Daniel Carvalho chegou. Apesar do apelo dos torcedores, Felipão escalou Daniel e Valdivia juntos por pouco tempo. Os motivos são distintos. Entre os meias, é o fato de ambos terem dificuldades para marcar. Já no ataque a questão é posicionamento.

Felipão sempre gostou de ter um atacante que atua pelas pontas e outro mais enfiado na área. Por isso, ou Obina ou Barcos teria que mudar de estilo e isso só é possível com muito treinamento. "Posso contar com os dois juntos, mas preciso treinar isso. Com dois pontas de lança é preciso mudar a forma de jogar", disse o treinador.

Para deixar os dois no mesmo time, o treinador teria basicamente três opções. A mais fácil seria sacar Mazinho do time e fazer com que Obina fosse o jogador que saísse pelas pontas - Valdivia permaneceria no meio. "Já joguei assim nos tempos do Vitória", disse o atacante, se oferecendo para fazer a nova função.

Outra possibilidade seria recuar Mazinho para o meio, sua posição de origem, e colocá-lo para jogar ao lado de Valdivia. O problema, porém, é que o treinador iria abrir o time, já que teria de tirar um dos volantes.

Como Valdivia é uma incógnita pela sua questão física e disciplinar, o treinador pode aproveitar que deve perder o meia por vários jogos e ensaiar uma equipe com Mazinho sendo o armador e os dois atacantes à frente. "Acho que dá para jogarmos juntos, depende de como o Felipão vai montar o time. Hoje, ele não pensa em jogar com nós dois, mas vamos nos adaptar ao que ele pedir", garantiu Barcos.

Histórico ruim. No ano passado, a tentativa de fazer dois atacantes de área atuarem juntos não deu certo. Wellington Paulista deixou o clube reclamando que era obrigado atuar em uma posição diferente da sua e tendo que marcar enquanto Kleber jogava mais dentro da área.

A diferença, entretanto, é que tanto Barcos como Obina demonstram maior disposição em fazer a dupla dar certo. Resta convencer Felipão. Sorte de Mazinho, que deve continuar como titular.

Valdivia apareceu no gramado da Academia de Futebol ontem e ao lado do auxiliar de preparação física Marco Aurélio Schiavo correu em volta do gramado mancando algumas vezes, por causa de uma contratura na coxa esquerda e está fora do jogo contra o Cruzeiro, amanhã. O meia não tem previsão de volta.

Dos machucados, quem tem uma pequena chance de voltar é Maurício Ramos. Román, Thiago Heleno, Marcos Assunção, Luan e Wesley continuam fora.

O Palmeiras pretende montar um esquema especial para que Valdivia não sinta tanta saudades da família. Ele deve ter autorização para se ausentar em alguns jogos e treinos para poder viajar para o Chile. / D.B.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.