Valdivia recupera a confiança e só fala em ''ser feliz''

Chileno se diz livre das dores e acredita que, enfim, vai poder render bem e contribuir para a evolução do Palmeiras

Daniel Akstein Batista, O Estado de S.Paulo

25 de fevereiro de 2011 | 00h00

Se Luiz Felipe Scolari não anda nada satisfeito com o Palmeiras, Valdivia está feliz com a vida. Após semanas de recuperação da lesão na coxa e trabalho físico separado dos companheiros, o chileno foi titular nos últimos dois jogos e está confirmado para o clássico de domingo contra o São Paulo, no Morumbi.

A comemoração, porém, é individual. Felipão também vibrou com o retorno do meia, mas não gostou do restante da equipe no triunfo por 2 a 1 sobre o Comercial, anteontem, na estreia da Copa do Brasil, em Teresina - o resultado obrigou a realização do jogo de volta, quarta-feira, no Pacaembu.

Valdivia foi um dos destaques da partida no Piauí. Logo após ser substituído, o time levou o gol, numa falha da defesa. "Tomar um gol de cabeça depois de colocar o Chico é absurdo", reclamou o treinador palmeirense. "É inadmissível." O técnico também tem criticado a falta de pontaria do ataque. A atuação do chileno foi um dos pouco pontos positivos ressaltados por Felipão. "A qualidade do Valdivia é indiscutível", elogiou.

Curiosamente, os dois entraram em atrito no fim do ano passado e no começo deste ano - Valdivia chegou a dizer que tinha um relacionamento apenas profissional com Felipão. As rusgas ficaram para trás. "A gente sentou para conversar e ele disse que não estava gostando de mim. Mas não tem mais nada", garantiu o jogador. "Não tem mais polêmicas nem confusão aqui no Palmeiras."

A alegria de Valdivia está também diretamente ligada à mudança na diretoria do clube. "O (Wlademir) Pescarmona foi embora, né!", disse, sobre o ex-diretor de futebol com quem trocou várias acusações. "As pessoas que entraram são gente boa e respeitam todo mundo", contou. "Eles também fazem cobranças, mas com respeito."

Na sua segunda passagem pelo clube, Valdivia só não entende por que há tanta pressão em cima deles. "O Corinthians caiu fora da Libertadores e a imprensa só falou disso por dois dias. Mesmo líder, parece que a gente está no último lugar, com o grupo brigando...", lamentou. "Mas a gente está tranquilo."

Sem dores, Valdivia garante que as lesões já ficaram para trás. E não esconde sua alegria. "Eu sou feliz aqui e quero que a torcida seja feliz comigo."

Marcos, com problemas familiares, está fora do clássico. Deola será o titular.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.