Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Valdivia vira um problema no Palmeiras para 2013

Chileno se recupera de lesão no joelho e poucos no clube ainda acreditam que ele vai ajudar a equipe nesta temporada

DANIEL BATISTA, O Estado de S.Paulo

16 de novembro de 2012 | 02h02

Enquanto os jogadores correm e suam para evitar uma queda para a Série B do Campeonato Brasileiro que parece certa, Valdivia passa seus dias na academia fazendo tratamento sem previsão de volta aos gramados - ele nem sequer acompanha o time nos jogos. Essa é a rotina do chileno, que tem tudo para ser o primeiro grande problema do clube na próxima temporada.

As sucessivas lesões e o comportamento extracampo fazem com que poucas pessoas ainda apostem nele dentro do Palmeiras. E acreditam que tudo isso vai afastar interessados em contratá-lo, ainda mais agora com a lesão que sofreu no joelho esquerdo - sempre fica a dúvida de como o atleta vai voltar.

O assunto Valdivia é espinhoso nas bastidores do clube. O presidente Arnaldo Tirone prefere falar que acredita em sua recuperação. "Ele tem de voltar a jogar, não existe mais time interessado nele. Então o jogador precisa se recuperar para depois ver o que vai fazer da vida", disse o dirigente ao Estado.

Os médicos do Palmeiras evitam falar do chileno. Se limitam a dizer que ele se recupera de uma lesão no ligamento colateral medial do joelho esquerdo e chegou-se a cogitar que poderia voltar a atuar ainda nesta temporada. Único que fala sem pudor do meia é Osório Furlan Júnior, empresário que ajudou a trazê-lo e é dono de 36% dos direitos econômicos do atleta (10% são do Valdivia e 54% pertencem ao Palmeiras).

"Ele não é confiável em nada. Me arrependo muito do investimento que eu fiz nele. Você acha que ele vai se expor neste momento? O cara recebe em dia e ninguém o culpa pela situação. Acha mesmo que ele vai se esforçar para voltar a jogar esse ano? Eu dou a compra do Valdivia como fundo perdido", ironizou o empresário e conselheiro do Palmeiras.

Valdivia disputou 16 jogos em 35 rodadas no Brasileiro, não fez nenhum gol e deu apenas uma assistência. Seu melhor momento no ano foi nos jogos contra Atlético-PR, Grêmio e Coritiba, pela Copa do Brasil. Em agosto, recebeu proposta do Al-Sadd, do Catar, e o negócio só não foi concretizado porque Furlan não aceitou abrir mão dos seus 36%. O Palmeiras queria lhe oferecer 800 mil, embora por contrato o empresário deveria ficar com 1, 4 milhão.

Nova motivação. Uma notícia envolvendo a seleção chilena pode ser boa para o Palmeiras. O técnico Claudio Borghi, que afastou Valdivia da seleção por indisciplina, foi demitido na terça-feira. Sem Borghi por perto, o meia tem esperança de voltar a defender a seleção de seu país e ainda se motivar para fazer as magias em campo. Por enquanto, Valdivia continua como um grande ponto de interrogação no clube.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.