Valdivia volta, e Palmeiras apenas empata em Mogi

Time esbarra nos erros de finalização, fica no 0 a 0, mas continua líder. Felipão critica diretoria pela falta de camisa 9

Marcon Beraldo, O Estado de S.Paulo

21 de fevereiro de 2011 | 00h00

O Palmeiras empacou desta vez em seus erros ofensivos e acabou ficando no 0 a 0 com o Mogi Mirim, ontem, no interior paulista. No geral, o time alviverde se mostrou organizado, mas na hora de finalizar errou o alvo e parou nas boas defesas do goleiro João Paulo. Valdivia jogou e recebeu elogios do técnico Luiz Felipe Scolari. Mas a diretoria... "Gostei do Valdivia em campo e, principalmente, da equipe. Mas essa economia para contratar um camisa 9 ainda vai sair cara para nós", observou Felipão.

Apesar de tudo, o Palmeiras somou mais um ponto, chegou a 20 e se manteve na liderança do Campeonato Paulista. Além disso, o time ficou mais perto da meta estabelecida pelo treinador para se classificar à fase decisiva da competição. Mas os próximos desafios poderão complicar a vida dos palmeirenses.

Na quarta-feira, o Palmeiras viaja até o Piauí, onde estreia na Copa do Brasil diante do Comercial. No domingo, no Morumbi, tem o clássico diante de um São Paulo em fase de ascensão técnica e com uma semana livre para treinar e se preparar.

O Palmeiras estava melhor no jogo, mas no início do segundo tempo o Mogi quase surpreendeu, chegando rápido ao ataque e pressionando o adversário. O atacante Roberto Jacaré infernizou a zaga palmeirense, mas sozinho não tinha como resolver.

Felipão fez as substituições necessárias, o Palmeiras equilibrou o jogo e logo depois voltou a tomar conta da partida. Aí começaram a surgir as melhores oportunidades. Mas faltava precisão nas finalizações. E desta vez nem as cobranças de falta de Marcos Assunção ou os arremates de Kleber resolveram o problema do líder.

Preparo físico. Na base da melhor preparação física, o Palmeiras pressionou o Mogi. Brilhou, então, a boa estrela do goleiro João Paulo, que fez importantes defesas e salvou gol certo de Adriano. O Mogi parecia morto em campo. Por isso, nem o goleiro Bruno esperava um chute de longa distância de Bruno de Jesus, que o superou. Mas, para sua sorte, a bola bateu no travessão.

O goleiro palmeirense Bruno, chamado na última hora por causa das contusões de Marcos e Deola, também evitou gol de Jacaré, no fim do jogo. Nos últimos minutos, o Palmeiras tentou tirar proveito da expulsão de Bruno de Jesus, mas não ameaçou o gol do Mogi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.