Vale tudo ao Toledo, menos a vitória

Equipe não pode vencer se quiser voltar à 1ª Divisão

Eduardo Maluf, O Estado de S.Paulo

28 de julho de 2011 | 00h00

LONDRINA

Time, torcida, comissão técnica e diretoria do Toledo estão mobilizados para a decisão de domingo. Em Prudentópolis, contra o Serrano, o clube pode garantir o retorno à Primeira Divisão do Campeonato Paranaense. Vale tudo, menos a vitória. Isso mesmo. Se a equipe do oeste paranaense quiser garantir o acesso sem depender da realização dos jogos semifinais, não pode ganhar o jogo do fim de semana.

Na cidade de 120 mil habitantes, os torcedores expõem claramente seu desejo. Vencer? Jamais! "O pensamento da torcida é subir, não interessa como", diz Márcio Pimentel, repórter do Jornal do Oeste. O presidente Irno Piccinin, embora prudente nas declarações, vai na mesma linha. "Temos de ver o que é bom para o clube."

A situação, pra lá de inusitada, chegou a esse ponto por causa do regulamento. A competição tem dois turnos. Os vencedores do primeiro e do segundo vão para as semifinais ao lado dos dois mais bem colocados na soma das duas fases. A semifinal só não será realizada se um mesmo time conquistar o primeiro e o segundo turno. O Londrina, tradicional agremiação do norte paranaense, ficou com o primeiro.

Neste domingo, a última rodada do segundo será realizada. O Toledo é o líder com 22 pontos e o Londrina, o vice, com 20. Os londrinenses encaram o Foz do Iguaçu, fora de casa, e têm de ganhar. Se obtiverem sucesso e o Toledo tropeçar contra o Serrano, levarão o título novamente, serão declarados campeões estaduais e subirão para a Primeira Divisão de 2012.

Mas que vantagem os toledanos levam nessa história? Com o fim do campeonato antecipadamente, além do Londrina, o Toledo é quem volta para a elite do Paraná por ter feito a segunda melhor campanha na soma geral de pontos dos turnos.

No máximo um empate. Por outro lado, se o Toledo ficar em primeiro neste turno, tanto ele quanto o Londrina terão de disputar a semifinal contra os outros dois melhores por índice técnico. E, se forem derrotados, terão de encarar mais uma temporada na Segunda Divisão.

"Não vamos jogar para perder, mas o empate pode ser bom para nós", diz Piccinin. "Não queremos fazer nada contra a moral do futebol, apenas explorar a possibilidade que o regulamento nos dá. E nós temos dez pontos a mais que o terceiro colocado na classificação geral", prossegue. "Imagine se, num dia infeliz, nós perdemos a semifinal."

O técnico Rogério Perrô evita polêmica, mas deixa claro ter preferência pelo acesso direto, mesmo que tenha de abrir mão do título da Segunda Divisão.

No jogo passado, contra o Foz do Iguaçu, por exemplo, três de seus jogadores forçaram o terceiro cartão amarelo e desfalcam o time contra o Serrano. Outros dois foram expulsos. O Toledo, assim, entrará em campo com uma equipe mista.

O Toledo, oficialmente TCW (Toledo Colônia Work), nome das empresas que o administram, foi fundado em 2004 e tem estrutura invejável no Paraná, com moderno centro de treinamento e alojamento para os atletas. O tradicional Londrina, em ação desde 1956, foi campeão paranaense três vezes e chegou a um quarto lugar de Campeonato Brasileiro (em 1977).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.