Valentino Rossi renova com a Yamaha e fica na MotoGP até 2018

A principal categoria da motovelocidade vai continuar contando com um dos maiores pilotos de todos os tempos por mais três temporadas. O italiano Valentino Rossi, sete vezes campeão, anunciou neste sábado que renovou seu contrato e segue na equipe de fábrica da Yamaha até 2018. Depois, ele deve se aposentar.

Estadão Conteúdo

19 de março de 2016 | 11h05

"Estou muito satisfeito com essa decisão, porque sempre foi meu plano estar na motovelocidade enquanto eu for competitivo e, ao mesmo tempo, me divertir. Desde que eu voltei para a Yamaha em 2013, eu sinto como se estivesse em casa de novo e isso é demonstrado pelos resultados", comentou ele.

Valentino Rossi está com 37 anos e, ao fim da temporada de 2018, estará com 39, à beira dos 40 - ele faz aniversário em fevereiro. O italiano está na elite da motovelocidade desde o ano 2000, quando estreou na antiga categoria de 500 cilindradas. Antes, foi campeão nas 125cc e nas 250cc, sempre pela Asprilla.

Fenômeno, foi vice-campeão na primeira temporada nas 500cc, aos 21 anos. Na sequência, foi tri pela Honda e bi pela Yamaha, sendo campeão nas quatro primeiras edições da MotoGP. Nos cinco anos seguintes, de 2006 a 2010, ganhou dois campeonatos e foi sempre Top 3. Ao se transferir para a Ducati, em 2011, viu seus resultados despencarem. De volta à Yamaha em 2013, foi quarto naquele ano e vice-campeão nas últimas duas temporadas.

Junto com Dani Pedrosa, Jorge Lorenzo e Marc Márquez, Valentino forma a elite da MotoGP na atualidade. No ano passado, Rossi disputou o título até a última prova, quando teve que largar em último como punição pelo chute que derrubou Márquez no GP anterior. No fim, viu seu companheiro Jorge Lorenzo ser campeão.

Agora, ele inicia a temporada, no fim de semana que vem, no Catar, com a garantia de que este não será seu último ano na MotoGP, como previa seu contrato. Valentino e Lorenzo seguem na Yamaha, com Márquez e Dani Pedrosa na Honda e os italianos Dovizioso e Iannone na Ducati, a terceira força.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.