Abelardo Mendes Jr/ rededoesporte.gov.b
Abelardo Mendes Jr/ rededoesporte.gov.b

Valéria Kumizaki busca quarta medalha no Pan de olho na vaga olímpica

Carateca foi prata no Rio-2007, bronze Guadalajara-2011 e ouro em Toronto-2015

Paulo Favero, enviado especial a Lima, O Estado de S.Paulo

10 de agosto de 2019 | 04h30

Enquanto o caratê estava restrito aos Jogos Pan-Americanos, obviamente desconsiderando os eventos exclusivos da modalidade, Valéria Kumizaki conquistou três importantes medalhas no Pan, a prata no Rio, em 2007, o bronze em Guadalajara, quatro anos depois, e o ouro em Toronto, em 2015.

Só que para os Jogos de Tóquio o caratê estará no programa olímpico e o status da modalidade neste Pan em Lima será bem diferente. "A expectativa é enorme e vou em busca da quarta medalha, se Deus quiser de ouro. Essa edição do Pan para o caratê é muito importante, pois ajuda na classificação para a Olimpíada", disse.

Valéria começou a praticar o caratê aos 16 anos, por acaso. Ela estava na sala de aula e duas amigas falaram que estavam fazendo uma aula experimental. A garota foi lá, se matriculou e nunca mais parou. O sucesso foi fulminante e em três anos ela já estava na seleção brasileira e fo campeã mundial júnior.

Agora, aos 34 anos, a atleta de Presidente Prudente, no interior paulista, sabe que a Olimpíada fará enorme diferença em sua carreira. "O auge do atleta são os Jogos Olímpicos. A comunidade do caratê está sonhando. Virou realidade e estou correndo para conseguir a vaga. Na classificação olímpica, eu tive bom resultado em Dubai, com o bronze, e continuo treinando e correndo para a classificação que termina ano que vem."

Segundo Valérias, depois da entrada do caratê no programa olímpico tudo melhorou para ela. "Eu tenho o apoio do bolsa pódio, do Exército brasileiro, agora da Ajinomoto, da Adidas, da Unimed, então agora o foco mesmo é estar bem preparada. Patrocínio não é mais problema para mim", disse.

Focada para sua estreia no Pan neste sábado, na categoria kumitê até 55 kg, ela garante estar preparada para os desafios, até porque a modalidade tem muitas atletas novas e países como Canadá, Venezuela e México são fortes. "Estou focada e quero repetir mais uma medalha no Pan. Quero mais uma de ouro", avisou.

Para Entender

Quadro de medalhas do Pan

Confira como está a disputa entre países para saber quem é o maior vencedor dos Jogos Pan-Americanos de Lima

A classificação para Tóquio é mais complexa e o campeão do Pan não garante vaga diretamente, mas os pontos conquistados devem ajudar bastante. "Queremos classificar o maior número de atletas brasileiros. Temos três vagas por continente e quem tiver a vitória no Pan terá uma ajuda enorme na classificação olímpica. A medalha de ouro dá prioridade pra vaga continental", concluiu.

Tudo o que sabemos sobre:
Jogos Pan-americanosCaratê

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.