''Vamos ganhar com um pênalti no fim''

Montezemolo, presidente da Ferrari, confia no título de Massa no dia 2

O Estadao de S.Paulo

23 de outubro de 2008 | 00h00

Os sete pontos de desvantagem que Felipe Massa vai ter de descontar de Lewis Hamilton em Interlagos para ficar com o título da Fórmula 1 não tiram o otimismo de Luca di Montezemolo, presidente da Ferrari. "Esperamos converter um pênalti no último minuto", afirmou o empresário em entrevista ao jornal La Gazzetta dello Sport.Montezemolo afirmou que confia muito no desempenho de seus dois pilotos. "Kimi (Raikkonen) está pronto para ajudar e Massa terá o apoio por correr em casa", disse o dirigente, que garantiu estar satisfeito com o trabalho de seus pilotos. Segundo Montezemolo, a segunda parte do campeonato de Raikkonen não está sendo tão "exultante", mas Massa teve um ano "extraordinário".Montezemolo não escondeu o eterno interesse pelo espanhol Fernando Alonso. "Essa é uma inquietude que já dura quatro anos." Alonso deve anunciar em Interlagos sua permanência na Renault.Se na Ferrari o otimismo é grande, na McLaren existe uma preocupação maior ainda com a resistência do motor do carro de Hamilton. "Nossos motores têm sido muito bons, mas sempre estamos preocupados porque basta um deslize para que todo o trabalho feito seja jogado fora", afirmou Martin Whitmarsh, diretor executivo da equipe britânica.Whitmarsh está receoso com razão, afinal Heikki Kovalainen, companheiro de Hamilton, não completou as duas últimas provas. No Japão, o abandono aconteceu por causa de problema no motor e na China, domingo passado, a causa da quebra foi a parte hidráulica.Hamilton soma 94 pontos contra 87 de Massa. Além da definição do título entre os pilotos, o GP do Brasil também vai definir o campeão entre os construtores. A Ferrari soma 156 pontos contra 145 da McLaren.CANADÁO prefeito de Montreal, Gerald Tremblay, com ministros do governo canadense, se reuniu com Bernie Ecclestone, presidente da Formula One Management, em Londres, na terça, para salvar o GP do Canadá.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.