Vanderlei sente contusão, desiste e vai de táxi até a linha de chegada

Vanderlei Cordeiro de Lima sentiu um espasmo muscular no posterior da perna direita e enfrentou a frustração de não concluir a maratona do Pan do Rio, ontem, no último dia de competições. Campeão em Winnipeg/1999 e Santo Domingo/2003, Vanderlei parou entre os quilômetros 37 e 38 e chegou ao Parque do Flamengo de táxi, acompanhado do técnico José Haroldo Gomes, o Arataca.''''Impressionante a multidão que ele arrastou quando parou num posto de gasolina'''', comentou Arataca.De fato Vanderlei, de 38 anos, recebeu apoio do público ao longo do percurso e na área da chegada, apesar de ter parado - as pessoas pareciam não se importar. ''''Me surpreendeu o carinho e o assédio nessa minha passagem pelo Rio. Acho que tenho uma história que marcou para sempre'''', comentou o atleta, recordando a Olimpíada de Atenas, quando foi empurrado por um ex-padre irlandês e, mesmo assim, ganhou o bronze.Vanderlei disse que começou a sentir dor na perna direita no km 27. ''''Quando imprimi um ritmo mais forte (para encostar no guatemalteco Amado Garcia, que liderava a prova) não agüentei. Parei do quilômetro 37 para o 38. Tenho tido dificuldade para correr com frio (fez 16 graus ontem) e chuva.'''' Mas garantiu que estava feliz pela vitória de Franck Caldeira. ''''Ele honrou o atletismo brasileiro.'''' Disse que agora vai focar o seu objetivo no índice para a Olimpíada de Pequim, em 2008.Vanderlei, que foi o porta-bandeira do Brasil na cerimônia de abertura dos Jogos, aproveitou para defender a realização da Olimpíada de 2016 no País. E pediu desculpas pelas vaias que o presidente Luiz Ignácio Lula da Silva levou na cerimônia de abertura. ''''Em nome de todos os atletas quero pedir desculpas.''''

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.