Vanderlei: vida de celebridade

O bronze de Vandelei Cordeiro de Lima virou ouro, imediatamente após a Olimpíada de Atenas. Tanto em reconhecimento público e prestígio quanto em recompensa financeira. Para treinar para a 60ª edição da Maratona do Lago Biwa, que tem início a meia-noite e meia da madrugada deste domingo (horário de Brasília), Vanderlei se refugiou em Paipa (COL), por 55 dias. Para se preparar na altitude, mas também pela tranqüilidade da cidade. "Lá ele conseguiu treinar sem ser parado", explica o técnico Ricardo D´Angelo. Quando não está treinando, Vanderlei, de 35 anos, tem uma agenda repleta de compromissos, que incluem palestras para executivos e funcionários de empresas.A medalha de bronze foi recompensada como de ouro na premiação que recebeu. Do Pão de Açúcar, ganhou o bônus de R$ 200,00, prometido aos atletas do clube pelo título olímpico. Da BM&F Atletismo, seu clube e patrocinador, teve tratamento de campeão, premiado em dobro. Recebeu uma barra de ouro de 2 quilos, um pelo ´ouro´ ganho para o Brasil e outro pelo ´ouro´ para o clube. Só não ganhou mais com publicidade porque não aceitou gravar comerciais que vinculassem sua imagem a do ex-padre que o agrediu.Passou a ter tratamento de estrela nas negociações de cachês que seu agente Jos Hermes, da Holanda, faz para escolher as maratonas internacionais que correrá. O Japão paga bons cachês e Lake Biwa era a prova que unia o objetivo de querbar seu recorde de tempo (costuma ter clima ameno, além do percurso plano) com um cachê recompensador (convites como esse ficam na casa dos US$ 100 mil).A história do atleta, ex-boia fria do Paraná, corredor de bons resultados, mas ainda anônimo, recompensado por um incidente como o da maratona olímpica, vai virar filme nos Estados Unidos - o cineasta de Nova York, Loyso Smolinsky prepara o roteiro.A vida de celebridade do paranaense de Estrela do Oeste iniciou no km 36 do percurso da maratona olímpica, passou pela linha de chegada do Estádio Panathinaiko, a sala de imprensa... Pelas ruas do bairro grego Plaka, no dia seguinte a prova, veio para o Brasil e de volta ao mundo.Vanderlei já participou de jogo beneficente com craques do Barcelona, tem contrato para fazer aparições internacionais em lugares diferentes do mundo para uma empresa de finanças da Holanda, e muito pretígio no Japão onde corre na madrugada deste domingo. O primeiro-ministro Junichiro Koizumi disse ao fundista que ele e seu aviãzinho emocionaram o Japão. "Essa medalha de bronze vale mais que a de ouro", afirmou Koizumi. "Foi o melhor momento da minha vida", respondeu Vanderlei.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.